menu-iconPortal AECweb

Martelos rompedores e perfuradores são flexíveis e fáceis de usar

Na hora de selecionar os equipamentos, é necessário observar critérios como potência, robustez e assistência técnica. Sistema de acionamento pode ser elétrico, pneumático ou hidráulico

Publicado em: 28/11/2017Atualizado em: 04/12/2017

Texto: Redação PE


Avaliar a potência necessária, qualidade no pós-venda e a robustez do equipamento é tão importante quanto escolher o sistema de acionamento (foto: shutterstock.com / thanatphoto)

Martelos e marteletes demolidores estão muito presentes em canteiros de obra para a realização de serviços como remoção de pisos, rochas e cerâmicas, bem como para a demolição de pequenas estruturas de concreto. Esses equipamentos também têm aplicação quando é preciso criar canaletas em lajes e alvenarias, assim como em serviços de manutenção de vias. Robustos e de fácil manuseio, são disponibilizados pela indústria em diferentes versões, o que pode dificultar a identificação do melhor modelo para cada obra.

Há, por exemplo, os martelos perfuradores, eficientes para a realização de furos no concreto, e os rompedores, que além de perfurarem, agregam a função de quebrar a estrutura. Os equipamentos podem ser classificados, ainda, em função de seu sistema de acionamento (elétrico, pneumático ou hidráulico).

É importante saber claramente o volume de concreto a ser demolido e o seu prazo para conclusão. Com essas informações em mãos, fica mais fácil decidir qual rompedor escolher
Fábio Bruno Pinto

Os modelos elétricos normalmente são indicados para pequenas demolições, embora haja modelos capazes de realizar demolições mais pesadas com algumas restrições. Os martelos pneumáticos são mais apropriados para demolições pesadas, mas exigem o uso de compressor. Já os martelos hidráulicos podem ser encontrados nas versões leve, médio e pesado. Embora mais caras, essas máquinas têm como vantagem a flexibilidade de serem usadas em qualquer lugar, uma vez que a unidade hidráulica é de pequeno porte. Esses equipamentos podem, inclusive, ser empregados em serviços subaquáticos.

Há muita diferenciação, ainda, com relação à potência dos equipamentos. De modo geral, utilizações profissionais demandam modelos com mais de 900 W, lembrando que, quanto maior a potência, maior tende a ser a produtividade da máquina.

Além da energia de impacto (em jaules), o desempenho de demolição do martelo demolidor depende, ainda, da frequência de impacto (informada em impactos/min). Outros fatores que distinguem os demolidores são o design, que pode ser mais ou menos ergonômico, as dimensões do equipamento e os níveis de ruído gerados.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

Na hora de escolher um martelo demolidor para uma obra é preciso considerar alguns aspectos. “Para começar, é importante verificar qual é a necessidade da obra, verificando a extensão dos trabalhos, se são de grande porte e os materiais que serão demolidos”, explica Sylvio Cardoso de Mello, diretor da N. Mello Stanley.

“É importante saber claramente o volume de concreto a ser demolido e o seu prazo para conclusão. Com essas informações em mãos, fica mais fácil decidir qual rompedor escolher”, acrescenta o engenheiro Fábio Bruno Pinto, diretor da Fábio Bruno Construções.

Por trabalharem com óleo hidráulico, os martelos hidráulicos estão sempre lubrificados. Além disso, eles trabalham em circuito fechado, impedindo que impurezas danifiquem as ferramentas, como acontece com os modelos pneumáticos
Sylvio Cardoso de Mello

A durabilidade do serviço é determinante também para definir se vale a pena adquirir ou alugar esse tipo de máquina. Em princípio, só compensa partir para a locação quando os serviços são de pequena duração. “Tudo se resume a prazo. Quanto mais longo for o serviço, mais viável fica a sua compra. Alguns equipamentos, inclusive, podem ser comprados com o mesmo valor gasto em uma locação de 12 meses”, diz Bruno.

Uma recomendação importante é pesquisar previamente sobre o fornecedor. “É sempre recomendável sondar o mercado e ouvir o feedback de atuais clientes sobre as marcas. Algumas vezes o equipamento é muito bom, mas o atendimento pós-vendas não corresponde às expectativas”, alerta Bruno.

CUIDADOS COM MANUTENÇÃO

De modo geral, os martelos hidráulicos demandam menos esforços de manutenção que outros tipos de rompedores. “Por trabalharem com óleo hidráulico, eles estão sempre lubrificados. Além disso, eles trabalham em circuito fechado, impedindo que impurezas danifiquem as ferramentas, como acontece com os modelos pneumáticos”, diz Mello. Segundo ele, os martelos elétricos são os que necessitam de maior manutenção.

Mas independente do acionamento, a manutenção preventiva deve ser um cuidado importante, sob o risco de diminuir sua vida útil e o retorno do investimento.

Um conselho dos especialistas é dispor sempre de operadores habilitados para lidar com o equipamento. “É fundamental que esses profissionais se reciclem de tempos em tempos, tanto para operar o equipamento perfeitamente quanto para aprender mais sobre os defeitos que podem ocorrer e suas soluções”, aconselha Bruno, lembrando que, antes de acontecer um dano mais grave, a máquina costuma enviar sinais, que somente um profissional que se dedicou a estudá-la poderá perceber.

Colaboração técnica

Fábio Bruno Pinto – Engenheiro de minas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e diretor operacional da Fábio Bruno Construções, empresa especializada em demolições
Sylvio Cardoso de Mello – Administrador de empresas, é diretor da N. Mello Stanley, distribuidora de ferramentas Stanley e DeWalt no Brasil