Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Misturador manual deixa argamassa com viscosidade adequada para uso na obra

Portátil e de montagem simples, equipamento é solução para misturar poucas quantidades de argamassa para ser aplicada em reboco ou chapisco, deixando-a devidamente homogênea

Publicado em: 18/05/2018Atualizado em: 23/10/2023

Texto: Redação PE


 O misturador pode ser utilizado para mexer argamassa, textura, tinta ou massa corrida (Divulgação/ Dutra Máquinas)

O misturador manual de argamassa tem a finalidade de misturar poucas quantidades de argamassa para aplicação em reboco ou chapisco, deixando o material homogêneo e com viscosidade adequada para uso na obra. Esse equipamento é portátil, similar a um mixer de grande porte para trabalhar na construção civil, funcionando através de um conjunto de garfos que giram e batem a massa no recipiente onde ela é preparada, até atingir as condições desejadas.

A recomendação principal relacionada à segurança é evitar que crianças manuseiem ou fiquem próximas quando o equipamento estiver ligado. Ao término do serviço, ele deve ser desligado da rede elétrica
Teófilo Castro

Disponível em diferentes potências, o modelo correto desse equipamento deve ser selecionado conforme o tipo e as dosagens de material necessário. O gestor precisa levar em consideração o uso não apenas em argamassa, mas também em texturas, massa corrida, acrílica ou tintas, atentando para a produtividade requerida. Se a obra tiver características de construção pesada e necessitar de soluções para misturar concreto ou argamassa em grande quantidade, recomenda-se a utilização de outro tipo de equipamento maior e mais potente, como um misturador fixo ou betoneira.

O misturador fixo de argamassa, por exemplo, possui um tambor apropriado para fazer esse trabalho e está disponível em três diferentes modelos: misturador por batelada, que após fazer o trabalho, deixa a argamassa cair diretamente num carrinho de mão; o misturador contínuo, que trabalha apenas com argamassa industrializada; e o misturador planetário, utilizado para argamassas mais líquidas.

MONTAGEM

Carlos Baquião, representante da Stone Hammer em parceria com a Casa do Construtor, explica que o misturador manual é muito simples de ser montado. Basta encaixar e parafusar a haste de agitação no motor, ligar o equipamento na rede elétrica e utilizá-lo. “O operador até pode acoplar o garfo do misturador de argamassa para furadeira, caso queira homogeneizar produtos mais leves, mas dificilmente a furadeira terá uma boa vida útil em decorrência da densidade do produto a ser misturado. Ela não é dimensionada para esse trabalho”, diz.

Por ser um equipamento elétrico, quando ele estiver ligado, a pessoa que utiliza deve estar protegida com luvas e nunca colocar as mãos no garfo batedor
Carlos Baquião

Para realizar as operações, Baquião recomenda que o operador verifique a voltagem do equipamento, começando o uso sempre em baixa rotação e aumentando a velocidade de forma gradativa, de acordo com a necessidade. “Por ser um equipamento elétrico, quando ele estiver ligado, a pessoa que utiliza deve estar protegida com luvas e nunca colocar as mãos no garfo batedor”, explica.

Teófilo Castro, sócio da Rental Servy e membro da Associação Brasileira dos Locadores de Equipamentos e Bens Móveis (Alec), afirma que o trabalho com os misturadores de argamassa é seguro, tanto para os modelos portáteis como para os fixos. “No caso dos misturadores fixos, há uma grade sobre o tambor que desliga automaticamente se for aberta com o equipamento funcionando”, diz. A recomendação principal relacionada à segurança é evitar que crianças manuseiem ou fiquem próximas quando o equipamento estiver ligado. Ao término do serviço, ele deve ser desligado da rede elétrica.

MISTURADOR FIXO X BETONEIRA

Castro, da Rental Servy, salienta que o misturador fixo de argamassa deve ser utilizado para se obter produtividade no trabalho com maiores quantidades de argamassa. “Ele possui algumas vantagens em relação ao uso da betoneira, principalmente na homogeneidade proporcionada no resultado final. Ao comprimir a argamassa contra as paredes do tambor, evita a formação de grumos, além de diminuir a quantidade de ar incorporado à massa”, explica.

Outra vantagem é o tamanho compacto, permitindo que, em casos de obras realizadas em edifícios, ele seja deslocado de andar para andar, ficando ao lado do local de utilização. “Cada ciclo de mistura demora de dois a três minutos, tempo menor do que o trabalho em uma betoneira”, diz.

DICAS DE APLICAÇÃO DA ARGAMASSA

  • As superfícies que serão rebocadas devem ser previamente chapiscadas. Após o chapisco, é recomendado um intervalo de quatro dias antes do início do reboco, para sua devida cura;
  • Um bom chapisco pode ser feito com areia grossa e cimento, podendo também ser aplicados aditivos para estruturas de concreto, ou se a superfície for muito lisa;
  • A superfície onde a argamassa será lançada deve estar limpa, sem partículas soltas nem poeira, devendo ser previamente umedecida antes da aplicação do produto;
  • A argamassa demora a ter aderência em ambientes úmidos e sem ventilação, ou em dias frios e úmidos;
  • A argamassa que cai no chão não deve ser misturada com a da caixa;
  • Especialistas recomendam utilizar desempenadeira plástica lisa para desempenar a argamassa.

 

Leia também:

Projetor de argamassa tem produtividade superior ao método de reboco manual

COLABORAÇÃO TÉCNICA

Carlos Baquião, representante da Stone Hammer em parceria com a Casa do Construtor
Teófilo Castro, sócio da Rental Servy e membro da Alec