Para-raios geram economia e salvam vidas

Normatizados pela NBR 5419 da ABNT, eles são obrigatórios apenas em alguns tipos de edificação, mas são fortemente recomendados para todos

Publicado em: 16/09/2015

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

raios-em-edificios-na-cidade
Tempestade de raios em Londrina, Paraná (Foto: Fábio Ito)

De acordo com dados do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), os raios matam, em média, 130 pessoas por ano no Brasil e ferem outras 200. Só em 2014 foram 98 mortes contabilizadas, de acordo com o Instituto. Somos o país com a maior concentração de raios do mundo, campeão em descargas atmosféricas – aproximadamente 50 milhões ao ano. A justificativa é geográfica, afinal, estamos no maior país da chamada zona tropical – região central – onde o clima é quente e, portanto, mais favorável à formação de tempestades com raios.

Uma das maneiras de proteger uma construção de descargas atmosféricas, que podem provocar a queima de equipamentos domésticos, danos a residências e empresas e, até mesmo mortes, é a utilização de para-raios. “O objetivo da instalação de para-raios, ou SPDA (sistema de proteção contra descarga atmosférica), é desviar os raios de uma edificação”, explica o engenheiro eletricista Luiz Pereira, diretor da ABC Para-raios, empresa que atua na instalação e manutenção de sistemas de para-raios. Ou seja, os equipamentos não atraem os raios para a construção, apenas oferecem àquele raio que cairia em cima da edificação um caminho para chegar ao solo com pouca resistividade.

Sendo assim, os raios são desviados até o solo por meio de cabos e, enfim, dissipados, sem causar danos. “A função dos sistemas de para-raios é proteger todo tipo de edificação contra descargas atmosféricas, prevenindo, assim, a queima de equipamentos domésticos, como televisores e computadores, por exemplo”, afirma Juan Alexandre Suarez, proprietário da Manhattan Eletronic, empresa especializada em instalação e manutenção de sistemas de para-raios.

Os para-raios são divididos em três partes: Sistema de Captação, que capta os raios
Sistema de Descidas, que conduz os raios até o próximo sistema, chamado de Sistema de Aterramento, que, por sua vez, “descarrega” os raios no solo.

ONDE INSTALAR

A função dos sistemas de para-raios é proteger todo tipo de edificação contra descargas atmosféricas, prevenindo, assim, a queima de equipamentos domésticos, como televisores e computadores
Juan Alexandre Suarez

A instalação de para-raios é destinada a quem quiser proteger sua edificação. Mas, em alguns casos, é obrigatória. A norma técnica NBR 5419 ABNT, de 2005, que foi revisada este ano e passou a vigorar desde 22 de junho de 2015, é o instrumento que normatiza e regulariza sua utilização. Além dela, existem, ainda, as legislações estadual e municipal, que podem diferir de estado para estado e de cidade para cidade. Em alguns municípios, é o Corpo de Bombeiros que faz exigências acerca da obrigatoriedade da instalação.

Em algumas cidades mais rígidas – e com maior incidência de queda de raios –, edificações acima de 400 metros quadrados já são obrigadas a terem para-raios. Em outros casos, exige-se a instalação em construções com mais de 750 metros quadrados. “Em geral, lugares com grande circulação e concentração de pessoas, independente do tamanho, são obrigados a terem os sistemas, como prédios, igrejas, indústrias, portarias de condomínios, agências bancárias, escolas, locais públicos, em geral”, afirma Luiz Pereira, da ABC Para-raios.

É muito importante ressaltar que, para instalar o equipamento, é ideal contratar um especialista. Os engenheiros elétricos das empresas especializadas fazem um estudo específico de caso, pautados pela normatização da ABNT, e elaboram um projeto.

Dica: ter para-raios em casa pode reduzir o preço do seguro residencial. Algumas seguradoras enxergam o sistema como uma medida de prevenção, afinal, com o equipamento, os riscos de acidentes elétricos são muito menores.

TIPOS

Existem métodos diferentes de sistemas de para-raios. “Todos têm a mesma aplicação. A escolha de um ou outro dependerá do projetista/engenheiro responsável pela obra, que poderá utilizar um único método ou até juntar mais de um”, diz o engenheiro da ABC Para-raios. As características da edificação definem a escolha do sistema pelo projetista.

Em geral, lugares com grande circulação e concentração de pessoas, são obrigados a terem os sistemas, como prédios, igrejas, indústrias, portarias de condomínios, agências bancárias, escolas, locais públicos em geral
Luiz Pereira

Os mais comuns são o Sistema de Franklin e o Sistema de Gaiola de Faraday. O Sistema de Franklin é composto por um captador com 4 pontas, montado sobre um mastro cuja altura deve ser calculada conforme as dimensões da edificação, podendo se colocar um ou mais captores para uma proteção mais abrangente. Já o Sistema de Gaiola de Faraday consiste em uma malha de captação, formando módulos retangulares, que utiliza cabo de cobre nu passando por suportes isoladores.

PREÇO

“O preço de um sistema de para-raios varia muito conforme o tipo de construção e se a instalação dos para-raios começou logo no início das fundações da construção ou não, podendo variar de R$ 1000 a R$ 5000 para uma mesma obra de 400 metros quadrados”, diz Juan Alexandre Suarez da Manhattan Eletronic. Segundo ele, o ideal – e mais econômico – é utilizar as ferragens embutidas no concreto armado.

De acordo com Luiz Pereira, da ABC Para-raios, o valor pode chegar a R$ 200.000,00, dependendo do porte e da complexidade da construção. Há, ainda, casos de grandes condomínios com muitos prédios ou empresas de grande porte, em que chega a custar até R$ 2 milhões.

Colaboraram para esta matéria

Juan Alexandre Suarez – é proprietário da Manhattan Eletronic, empresa especializada em venda, instalação e manutenção de sistemas de para-raios, com 23 anos de atuação e sede em nove cidades da região metropolitana de São Paulo. Suarez também fez parte da comissão consultiva para a revisão da norma NBR 5419/2015, da ABNT.
Luiz Pereira – é engenheiro eletricista, fundador e diretor da ABC Para-raios, empresa que atua na instalação e manutenção de sistemas de para-raios e possui aproximadamente 40 filiais espelhadas pelo país.