Pás carregadeiras compactas: alto desempenho em espaços confinados

Essa versão “peso médio” de carregadeiras está conquistando cada vez mais consumidores no mercado brasileiro de equipamentos para construção

Publicado em: 16/09/2014Atualizado em: 08/04/2015

Texto: Redação PE

As pás carregadeiras compactas chegaram para ficar. Esses equipamentos são versáteis e podem ter diversas aplicações na construção e na manutenção de infraestrutura, por se tratar de uma versão intermediária entre as minicarregadeiras e aquelas de grande porte. No Brasil, são atualmente a primeira escolha para operações em espaços confinados.

O mercado deve entender melhor as características dessa categoria de máquinas e seu desempenho no terreno. Enquanto algumas fabricantes, como as chinesas LiuGong e SEM, utilizam o modelo de chassi articulado, por exemplo, a alemã Wacker Neuson destaca a vantagem do chassi rígido. Segundo Mário Neves, especialista em equipamentos compactos da Wacker Neuson, pás carregadeiras compactas são apropriadas para terrenos inclinados e acidentados, pois as máquinas compactas de chassi rígido possuem peso operacional menor que o daquelas de chassi articulado.

“A necessidade de grandes espaços para manobras é um agravante para as máquinas grandes produzirem o que produzem as pás carregadeiras compactas, já que isso afeta diretamente o tempo de ciclo e o espaço percorrido. Além disso, espaços de manobra custam muito caro e ocupam áreas que poderiam ser utilizadas para armazenamento ou produção”, explica.

No entanto, as empresas que adotam o chassi articulado acreditam que ele é mais eficiente em espaços a partir de 40 metros quadrados, como garante Eduardo Paparotto, gerente de produto da SEM no Brasil: “Nesses espaços menores, o articulado será sempre melhor, com a vantagem de possuir um menor custo operacional e de manutenção que outros equipamentos em relação à capacidade de movimentação de carga. Assim, desgastando menos os pneus na movimentação.”

Vander Freitas, gerente de produto da LiuGong, também compartilha a mesma opinião: “Nossas máquinas fazem um raio de giro de 38 graus. Exatamente por essa medida é que conseguimos trabalhar melhor em espaços menores”.

Desempenho das carregadeiras compactas em terrenos acidentados

Por possuírem chassi rígido, os modelos 550 e 850 da Wacker Neuson atuam com peso operacional entre 3.600 e 4.500 quilos, mais leves que as máquinas das concorrentes SEM e LiuGong. Na categoria compacta, a SEM atua com os produtos SEM 616B e SEM 618B, com peso operacional de 5.430 e 5.780 quilos. Já a LiuGong oferece os modelos CLG816c, CLG818c e o CLG820c, os dois primeiros, inclusive, bem parecidos, com capacidade operacional de 5.400 e 5.470 quilos, respectivamente, e o último, o CLG820c, um pouco maior, com 6.400 quilos.

“Para compensar a perda de carga em manobras, é necessário que equipamentos com chassiarticulado tenham mais contrapeso e dimensões maiores, tornando-os maiores, mais pesados e difíceis de manobrar. Quando as carregadeiras compactas 550 e 850 da Wacker Neuson estão movimentando pallets, o chassi rígido lhes garante manobras mais suaves, diminuindo o risco de tombamento da carga. Por isso, elas fazem manobras com segurança e tranquilidade em rampas ou terrenos acidentados”, afirma Mário Neves.

Vander Freitas, da LiuGong, acredita que nenhum modelo compacto de chassi rígido ou articulado deva ser usado nessas condições: “Acho que todas as pás carregadeiras compactas, independentemente da marca e do chassi, possuem limitação em rampas quanto à segurança, pois há uma inclinação lateral. Não acho seguro fazer manobras em rampas laterais. Para subir e descer, tudo bem. A capacidade da caçamba é medida em terreno plano, por isso não recomendamos o inclinado. Já em terreno acidentado, a máquina consegue fazer manobras tranquilamente, pois a articulação no eixo traseiro vai lhe dar segurança em contato com o chão”.

Já Eduardo Paparotto, da SEM, garante que as máquinas da empresa vão bem nesse tipo de terreno, embora seja preciso medir antes o nível da inclinação: “Dependendo do ângulo, elas podem operar. Existem cálculos para fazer a operação dos equipamentos. Em terrenos acidentados, o eixo é oscilante, por isso eles conseguem se adequar. O eixo traseiro estabiliza melhor o movimento”.

Operações de carregamento aliadas a manobras

Nas operações de abastecimento em portos de areia ou silos de cimento, as pás carregadeiras compactas levam vantagem em comparação às tradicionais de grande porte. A LiuGong acredita que seu modelo de compacta maior – o CLG820c, de 6.400 quilos – é o mais apropriado para esse tipo de situação. “Nossas máquinas possuem uma caçamba boa, com tamanho excelente. Abastecer em área de areia e silos de cimento dependerá da altura dos silos. A CLG820 tem 60 centímetros a mais de altura que as outras, por isso é a mais adequada, atinge silos mais altos”, como explica Vander Freitas.

Para essa situação, Mário Neves, da Wacker Neuson, enfatiza que o chassi rígido faz a diferença. “Em abastecimento de silos, por exemplo, acreditamos que o uso de rampa como área de manobra pode representar mais de 1.000 quilômetros rodados a menos por ano em máquinas de chassi rígido”, arremata ele.

 

Colaboraram para esta matéria

 
Mário Neves – Especialista em equipamentos compactos da Wacker Neuson
 
Eduardo Paparotto – Especialista de Aplicação da SEM na América Latina
 
Vander Freitas – Gerente de produto da LiuGong