Pisos táteis: da borracha ao porcelanato

Cada vez mais presentes nas construções, eles sinalizam o percurso para portadores de deficiência, aumentando a segurança no deslocamento

Publicado em: 08/02/2013Atualizado em: 18/02/2013

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Por Tatiana Arcolini e Paula Barradas

No Brasil, de acordo com o CENSO 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aproximadamente 35,8 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência visual ou baixa visão, necessitando de sinalização tátil para se locomover com segurança e facilidade. Para atender a essa demanda, o piso tátil é a solução ideal.

Essas faixas em alto relevo são fixadas no piso de áreas externas para indicar a direção do caminho a ser percorrido, o local correto para fazer travessias, possíveis obstáculos e até mudanças de direção. “Em ambientes internos de uso público, como aeroportos e rodoviárias, e em espaços comerciais e de hospedagem, o piso tátil funciona como uma espécie de guia, levando a pessoa com deficiência ao balcão de informações ou de atendimento, por exemplo”, explica Robson Gonzales, arquiteto urbanista e diretor técnico da ARPA - Acessibilidade.

Vale ressaltar que esse tipo de piso não foi idealizado para se caminhar em cima. “Sua função é sinalizar o percurso, que é encontrado ao toque da bengala graças ao contraste de claro-escuro ou de sua textura diferenciada”, explicam as arquitetas Elaine Delegredo e Luciana Correa.

Da borracha ao porcelanato

No Brasil, há diversos fabricantes. “Feito de borracha antiderrapante, metal ou placa cimentícia utilizada principalmente em calçadas, ele não deve ser considerado um tipo de revestimento, e sim uma forma de linguagem que serve para orientar”, relata Gonzalez.

A empresa Mercur, por exemplo, fabrica um modelo de piso tátil feito de borracha antiderrapante que possui excelente resistência à abrasão (desgaste), já que conta com ótima resistência a produtos alcalinos e ácidos, e à água sanitária. A fabricante Eliane, por sua vez, possui pisos táteis em porcelanato, que são mais indicados para alto tráfego, como calçadas e áreas externas, por apresentarem melhores características técnicas, como maior resistência e durabilidade, se comparados com outros tipos de materiais.

Angela Tamara, representante comercial da marca Haiah, explica que a empresa possui uma linha reciclada feita de borracha granulada atóxica, antiderrapante e antirreflexo, que não contém PVC e é indicada para ambientes internos. Já a Daud fabrica um piso tátil indicado para sinalizar rotas de fuga e saídas de emergência. Antichamas, o modelo atende à norma NBR 9442/86.

Parâmetros técnicos

Atualmente, a norma a ser atendida é a NBR 9050/04. Porém, uma nova norma (somente para pisos) está sendo preparada pela ABNT ainda em 2013. Quanto aos padrões de qualidade, os pisos táteis devem atender às normas NBR e ISO específicas para a fabricação.

Direcional x alerta

Existem dois tipos de pisos táteis: o direcional e o de alerta, os dois encontrados em placas de 25 x 25 cm, 50 x 25 cm e 50 x 50 cm. O modelo direcional é uma placa com superfície de relevos direcionais e lineares regularmente dispostos com medidas, distâncias e disposições conforme a norma de acessibilidade da ABNT NBR 9050. Sua instalação é feita no sentido do deslocamento.

Em contrapartida, o modelo de alerta é uma placa com superfície de relevo tronco-cônico, com medidas, distância e disposição também conforme a norma de acessibilidade da ABNT NBR 9050. A sinalização tátil de alerta deve ser instalada perpendicularmente ao sentido do deslocamento e às placas direcionais. Robson Gonzalez explica que sua modulação deve garantir a continuidade da textura e, portanto, do padrão de informação. “As placas deverão ser contrastantes com o piso adjacente, isto é, oferecer contraste de claro-escuro, podendo ser aplicadas de forma sobreposta ou justaposta, respeitando as condições de espessura, dimensões e segurança estabelecidas pela norma”, pontua.

InstalaÇÃo

A instalação é diferente para cada tipo de piso. O cimentício deve ter a base preparada para receber as placas assentadas com argamassa ou cimento. Já o de borracha e o de PVC sobrepostos devem ser aplicados sobre uma superfície estável, sólida e limpa. Alguns modelos são fixados com fita dupla-face especial, enquanto outros levam cola de contato. As placas de borracha justapostas são aplicadas com cimento ou argamassa, e as metálicas com pino precisam de perfuração da base para encaixe do pino e de uma cola especial.

A fabricante Daud ainda possui a linha tátil (alerta e direcional) autoadesivo. Feitos em termoplástico injetado de alta resistência, os adesivos são fixados por meio de uma fita dupla-face de alta resistência com o auxílio de um gabarito.

Onde aplicar

A principal dúvida, revela Gonzalez, é onde utilizar o piso tátil: “Nem todas as situações são contempladas em norma. Por isso, deve-se evitar o ‘copiar e colar’ de outras situações de projeto sem que o conceito da acessibilidade seja entendido e avaliado caso a caso.” Os arquitetos devem, de preferência, consultar um especialista em acessibilidade antes da aplicação.

Conheça as vantagens

Este tipo de sinalização só traz vantagens ao usuário, principalmente ao deficiente visual, aumentando a sua segurança e eficiência no deslocamento. Assim, o ideal é que o projeto de acessibilidade seja feito em conjunto com o projeto de arquitetura, garantindo um resultado integrado e, portanto, mais eficiente.

ManutenÇÃo

Para sua conservação os pisos táteis exigem alguns cuidados específicos. Caso haja resíduos de cimento, raspe-os com escova de aço, fazendo posterior aspiração para retirada de pequenos objetos depositados sobre a superfície a ser tratada, como clipes, grampos, fios de cabelo, grãos de areia etc.

Feita a remoção dos resíduos, deve-se lavar o piso com água e sabão neutro (detergente) e, se necessário, aplicar removedor. Estando o piso limpo e seco, aplica-se, com um pano, de duas a três camadas de cera à base de carnaúba ou poliuretano, de maneira uniforme, conforme a necessidade do ambiente. Deixa-se secar por 45 minutos entre cada aplicação.

A indicação é usar cera incolor para piso colorido, tomando o cuidado de sempre testá-la antes em uma pequena área. No caso de piso preto, pode-se usar tanto a cera incolor quanto a preta. A reaplicação deve ocorrer mensalmente ou conforme a necessidade. “Apenas uma camada na manutenção é suficiente para trazer de volta o brilho original, além de garantir melhor fixação e resistência ao produto”, conclui Gonzalez.

Por fim, para a limpeza diária, a recomendação é utilizar pano umedecido com limpador neutro. Lembre-se de que o piso de borracha não pode ser lavado diariamente, apenas uma vez ao mês, se necessário.