Plano de manutenção preventiva: como fazer?

Saiba o que é e como elaborar um plano de manutenção preventiva, buscando, entre outros objetivos, prolongar a vida útil dos equipamentos

Publicado em: 21/03/2022

Texto: Gisele Cichinelli

foto de um funcionário de uma indústria, completamente paramentado com equipamentos de segurança e segurando uma prancheta, como se fiizesse o controle industrial
A execução da manutenção preventiva é essencial para prolongar a vida útil de um ativo e ainda manter sua performance ao longo do tempo (Foto: Shutterstock)

Um plano de manutenção preventiva nada mais é do que uma estratégia para evitar paradas de equipamentos ocasionadas por falhas e, consequentemente, prejuízos às operações e acidentes que podem colocar em risco a vida e a saúde dos colaboradores.

Ter conhecimento técnico do equipamento e do seu histórico, uma equipe qualificada e bem dimensionada e um orçamento justo para a execução da manutenção preventiva é essencial para prolongar a vida útil de um ativo e ainda manter sua performance ao longo do tempo.

O que é manutenção preventiva?
O que é manutenção preditiva?

Checklist do plano de manutenção preventiva

O checklist é basicamente um protocolo, ou seja, um passo a passo para definir a melhor estratégia de manutenção a ser adotada pelos gestores.

Antes de iniciá-lo, é importante avaliar o ambiente e suas condições, fazer um levantamento minucioso dos equipamentos, do seu regime de operação e da capacitação da equipe.

Para cerâmicas com áreas acima de 900 cm quadrados (...) ou seja, para uma placa acima de 30 cm por 30 cm, já é obrigatória a dupla colagem. Mas tem que ser de verdade: duas camadas de argamassa úmida (...)
Amanda Neme, consultora do Centro Cerâmico do Brasil

Confira quais são as etapas importantes que devem ser cumpridas por ele:

1- Definição dos itens a serem avaliados

O primeiro passo é definir quais itens serão avaliados, sempre tendo como base as recomendações do manual dos equipamentos e da equipe técnica. 

O checklist de verificação vai variar de acordo com cada tipo de equipamento. 

De acordo com Ricardo Barros, gerente de facilities do Grupo Konecta, a criação de um checklist aderente às necessidades do equipamento e do seu regime de utilização trará mais solidez e assertividade ao plano de manutenção.

2- Elaboração do orçamento

É importante levantar quais serão os custos para garantir a aderência ao checklist, o dimensionamento da equipe e a compra do ferramental necessário para executar a manutenção. 

Vale lembrar que nesta conta devem ser incluídos os custos trabalhistas, de deslocamento (caso seja necessário), de peças sobressalentes (tais como mangueiras, óleo lubrificante e líquido de arrefecimento, para citar alguns exemplos) e de materiais para trocas (graxas, seladores de rosca e de juntas e abraçadeiras, entre outros).

3- Planejamento

Ao apresentar o orçamento do plano de manutenção preventiva, é importante ressaltar aos gestores como um planejamento bem feito poderá reduzir custos futuros indesejados e riscos à operação e aos colaboradores. 

O tamanho da equipe técnica deve ser dimensionado de acordo com a localização geográfica dos equipamentos, os tempos necessários de deslocamento, a quantidade de máquinas a serem atendidas e a periodicidade definida para cada uma delas. 

“É essencial definir a periodicidade para cada atividade estabelecida no checklist, pois isso impacta diretamente no dimensionamento da equipe e, consequentemente, nos custos de operação”, diz o gerente.

4- Atribuição de responsabilidades

O próximo passo é atribuir as responsabilidades de cada profissional ou de cada departamento que irá atuar no plano de manutenção preventiva. 

Esse cuidado permite que a execução da estratégia aconteça de forma mais fluida, evitando entraves técnicos e burocráticos. 

Os profissionais contratados devem se responsabilizar pelas compras de itens, pela garantia da execução dos serviços dentro do cronograma planejado e pela capacitação e atualização contínuas das equipes de serviço.

5- Definição de um líder

Para garantir o sucesso do plano de manutenção, é preciso contar com uma liderança capaz de acompanhar com eficiência os resultados e o andamento das atividades. 

Cabe a esse profissional fazer feedbacks constantes com a equipe, seja para melhorar a efetividade do plano, para corrigi-lo ou para manter um processo de melhoria na sua execução.

6- Acompanhamento dos indicadores

 Com o plano de manutenção preventiva definido, é possível acompanhar alguns indicadores, tais como: 

 - Tempo médio entre as falhas;
- Tempo de atendimento por equipamento;
- Tempo de atendimento por profissional;
- Custos de manutenção por equipamento. 

 Essas informações serão de grande valia para medir a qualidade do projeto, a aderência ao orçamento e a qualidade da equipe de atendimento. 

 “Com esses dados em mãos, é possível direcionar novos investimentos e fazer ajustes em todo o plano, seja nos critérios de checklist, no dimensionamento da equipe ou na implantação de boas práticas ao comparar equipes e atividades similares”, explica Barros.

Evitando erros

Alguns deslizes podem prejudicar a efetividade do plano de manutenção preventiva. Entre eles estão a desatenção com as condições do ambiente, a não verificação dos manuais e das recomendações do fabricante, a supressão do histórico de defeitos do equipamento e os erros no cálculo do tempo de correção antes que as falhas ocorram. 

 Esses “furos” na estratégia podem causar a interrupção do funcionamento do equipamento, prejudicar as operações e ainda impactar o orçamento com o aumento inesperado nos custos do planejamento. 

“Mas a consequência mais grave é colocar em risco a saúde ou a vida dos colaboradores e dos manutencistas”, observa Barros.

A tecnologia como aliada

Investir em um software de manutenção preventiva é uma boa opção para evitar esses erros. 

“O software de manutenção usa a ciência de dados e a análise preditiva para estimar quando as peças e os equipamentos podem falhar e quando o técnico deve fazer a manutenção corretiva programada antes que isso prejudique o negócio”, explica Barros. 

A plataforma Optimus, da Construmarket, por exemplo, permite ao gestor montar um plano de manutenção preventiva informando a periodicidade estabelecida para cada serviço ou equipamento uma única vez. 

 “A periodicidade é automática, basta informá-la ao sistema uma vez só e ele produzirá os alertas das datas para a realização da manutenção”, conta Igor Godoy Meneghin, gerente de contas da área de facilities e manutenção industrial da Construmaket.

Com essa ferramenta, é possível cadastrar um checklist para cada item do plano de manutenção. 

 “O checklist pode ser definido previamente pela empresa, mas o Optimus oferece alguns modelos prontos, o que agiliza bastante a implantação do plano de manutenção preventiva”, completa Meneghin. 

 A estabilidade e a confiabilidade dos alertas de notificação são algumas das principais características da plataforma. 

 O Optimus também pode ser usado com eficiência no modo off-line e ainda cadastra todos os manuais dos equipamentos, agilizando o acesso das equipes a todas as informações técnicas necessárias para a execução das suas tarefas.

Conclusão

Todos os ativos se deterioram com o uso, e a manutenção, quando não planejada, pode ser até nove vezes mais cara do que a manutenção planejada. 

 Com um bom plano de manutenção preventiva, combinado ao uso de ferramentas digitais eficientes, é possível acompanhar a evolução de um defeito ao longo do tempo, avaliar sua tendência de degradação e escolher o melhor momento para aplicar as ações de correção antes que falhas ocorram.

Colaboração técnica

Igor Godoy Meneghin – gerente de contas da área de facilities e manutenção industrial da Construmaket
Ricardo Barros – gerente de facilities do Grupo Konecta LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/ricardobarros1978/

Leia também:

O que é manutenção predial e quais os principais serviços?
Entenda Como fazer a manutenção de aparelhos frios e evitar custos excessivos?