Porcelanato substitui o revestimento do piso da Linha 5-Lilás do metrô

O porcelanato já estava presente nas novas estações entregues pelo Metrô. Agora, a ViaMobilidade uniformizou o revestimento das cinco plataformas antigas, exceto a Santo Amaro, onde manteve o emborrachado

Publicado em: 19/08/2021Atualizado em: 25/10/2022

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Piso Linha 5-Lilás do metrô de São Paulo
Todas as plataformas da Linha 5-Lilás do metrô de São Paulo receberam o porcelanato (Foto: Divulgação/ViaMobilidade)

No lugar do piso emborrachado comum às estações do metrô paulistano, o porcelanato passou a revestir todas as plataformas da Linha 5-Lilás. Apesar do custo quase que dobrar, a concessionária ViaMobilidade, responsável pela operação e manutenção da linha desde 2018, optou pela solução nas novas estações e, agora, fez a substituição nas cinco mais antigas.

“As estações que fazem parte do trecho novo da Linha 5-Lilás já receberam o porcelanato ao serem entregues pela Companhia do Metropolitano de São Paulo”, conta Waldir Rodrigues de Lima Júnior, gerente executivo de Manutenção da concessionária.

As estações que fazem parte do trecho novo da Linha 5-Lilás já receberam o porcelanato ao serem entregues pela Companhia do Metropolitano de São Paulo
Waldir Rodrigues de Lima Júnior

Várias razões levaram à especificação do porcelanato, a começar pelo fato de que, com o tempo de uso, o piso de borracha começou a apresentar irregularidades. Esse foi o dano principal, que acabou por motivar a troca, pois um piso irregular é fator de risco para acidentes.

Em defesa do novo material, o gerente afirma que a textura do porcelanato permite melhor higienização, necessidade reforçada como forma de combater a disseminação da Covid-19. “A troca uniformiza o acabamento de todas as estações da Linha 5-Lilás, e a cor cinza clara do porcelanato também deixa o ambiente mais claro e agradável”, diz.

Plataformas com novo piso

A ViaMobilidade instalou quase 7 mil m² de porcelanato nas plataformas das estações de Capão Redondo (1.401,66 m²), Campo Limpo (1.258,00 m²), Giovanni Gronchi (1.110,46 m²), Vila das Belezas (1079,12 m²) e Largo Treze (2088,50 m²). O custo do metro quadrado em julho de 2021, de acordo com a empresa, era de R$ 57,13, contra R$ 32,30 do emborrachado.

A única plataforma da Linha Lilás em que o antigo revestimento – também conhecido pela marca Plurigoma® – foi renovado é a Santo Amaro, que passa por uma extensa obra de requalificação.

Piso Linha 5-Lilás do metrô de São Paulo
A solução substituiu o piso emborrachado (Foto: Divulgação/ViaMobilidade)

“Nessa estação, o piso de borracha foi trocado, por conta das irregularidades, porém optou-se pelo mesmo tipo de revestimento devido às particularidades da estrutura do local. Por ser suspensa, a estação demanda um pavimento mais leve, além de apresentar maleabilidade natural, que poderia causar trincas no piso de porcelanato”, explica o gerente, acrescentando que o material utilizado para a sinalização de piso adere com facilidade ao porcelanato.

Baixe nossa Planilha de Medição e organize o fluxo financeiro da obra e estoque!

Desempenho dos revestimentos

A vida útil do piso emborrachado depende, segundo ele, de algumas variáveis. Se bem instalado e cuidado pode durar até 10 anos. Algumas manutenções serão sempre necessárias, porém, caso o material seja de qualidade e forem seguidas as orientações corretas de uso e limpeza, só será necessário se preocupar com isso quatro anos após a instalação.

A durabilidade do porcelanato especificado para as plataformas não tem um prazo definido. Está relacionada ao uso, manutenção e limpeza
Waldir Rodrigues de Lima Júnior

“A durabilidade do porcelanato especificado para as plataformas não tem um prazo definido. Está relacionada ao uso, manutenção e limpeza”, indica Lima Junior. Tanto o porcelanato quanto o emborrachado são antiderrapantes, propriedade técnica decisiva para o revestimento do piso das plataformas do metrô, prevendo a segurança dos usuários. “O piso precisa oferecer o máximo de segurança, e isso inclui a redução de risco de acidentes e a certeza de uma boa higienização”, fala.

A limpeza é indispensável para qualquer piso emborrachado. O acúmulo de poeira pode comprometer a capacidade de absorção do revestimento a longo prazo, já que a sujeira penetra nos poros da borracha, endurece a placa e, desse modo, acaba reduzindo a capacidade de absorver impacto. Para evitar o problema, o ideal é fazer a higienização do piso toda semana, ou quinzenalmente, dependo da quantidade de tráfego no local.

“Igualmente importante, é preciso realizar uma manutenção periódica. Estar sempre atento a descolamentos, dobras e ondulações da borracha. Felizmente, a substituição de uma placa de piso não é cara e pode ser feita facilmente”, comenta.

Leia também:

Porcelanato, pedra, quartzo... escolha o revestimento de piso certo
Pisos para hospitais: um tipo para cada ambiente

Colaboração técnica


Waldir Rodrigues de Lima Júnior – É formado em Engenharia Elétrica/Eletrônica pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) e pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). Desde 2018, é gerente executivo de Manutenção na ViaMobilidade, concessionária das linhas 5-Lilás de metrô e 17-Ouro de monotrilho de São Paulo, sendo responsável por todas as equipes de manutenção da linha (Material Rodante, Manutenção de Equipamentos Fixos, Civil, Via Permanente e Rede Aérea), liderando mais de 400 profissionais diretos e gerenciando suas atividades técnicas e financeiras. Está no Grupo CCR desde 2009, onde atuou na concessionária ViaQuatro (Linha 4-Amarela de metrô) como coordenador de Manutenção.