Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Primeiro bairro sustentável de Pelotas economizará 30% de água e energia

O empreendimento Quartier terá coberturas verdes ou com painéis fotovoltaicos, além de ruas permeáveis com bloquetes de concreto. Já nascerá atendendo as diretrizes do LEED e de acordo com o selo Procel Edifica, da Eletrobras

Publicado em: 30/07/2014Atualizado em: 01/08/2014

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Bairro Quartier

Um bairro projetado para ser sustentável começará a ser construído ainda este ano, na cidade gaúcha de Pelotas. Batizado de Quartier, o empreendimento é resultado do trabalho dos escritórios de engenharia Joal Teitelbaum e Guapo Capital Group, em parceria com o escritório Jaime Lerner Arquitetos Associados. Ocupando uma área de 30 hectares, dos quais dez serão destinados a um espaço verde e de preservação, o bairro Quartier já nasce atendendo as diretrizes do LEED.

Bairro Quartier

“A certificação não se prende apenas às soluções arquitetônicas, mas também pede que o empreendimento esteja inserido dentro de uma massa urbana já existente e que se comunique com os demais equipamentos de infraestrutura. Por exemplo, ligando as ciclovias do bairro às já existentes na cidade”, explica o engenheiro Claudio Teitelbaum, diretor de Qualidade e Relacionamento com o Cliente do escritório Joal Teitelbaum. Não somente as diretrizes do LEED serão atendidas pelo bairro, o empreendimento projetado também está de acordo com o selo Procel Edifica, da Eletrobras.

A partir do momento em que os projetos são concebidos de forma sustentável, todos saem ganhando. A cadeia produtiva, o cliente, a empresa, os funcionários, parceiros estratégicos e a sociedade.

COBERTURAS VERDES

Segundo o profissional, está previsto no plano diretor padrão do bairro que as coberturas dos empreendimentos deverão ter telhados verdes ou painéis fotovoltaicos – esse sistema será responsável pela iluminação das ruas – e os bloquetes nas vias serão de concreto, que favorecem a permeabilidade do solo. “A partir do momento em que os projetos são concebidos de forma sustentável, todos saem ganhando. A cadeia produtiva, o cliente, a empresa, os funcionários, parceiros estratégicos e a sociedade. Equipamentos de tratamento de efluentes (água e esgoto), painéis solares para aquecimento de água e geração de energia, vidros especiais que não transmitem radiação e materiais compostos por elementos vindos de reciclagem são exemplos claros de como a tecnologia torna-se aliada da sustentabilidade”, completa.

Bairro Quartier

CONSTRUÇÃO EFICIENTE

Os sistemas construtivos previstos no projeto serão aqueles que elevam a produtividade, segurança e qualidade final da edificação. Teitelbaum cita como exemplo algumas estruturas pré-moldadas e painéis de fachada, como fachada ventilada e painéis arquitetônicos de concreto. “Sobre materiais, a certificação LEED prevê madeiras com manejo controlado (FSC), itens com conteúdo reciclado e pavimentos com determinados índices de refletância. Além disso, matérias-primas produzidas e vendidas localmente também serão priorizadas”, complementa. A previsão é de uma economia de, aproximadamente, 30% em água e energia ao final da execução do projeto, que se inicia em 2014 e terá término da infraestrutura em cerca de 40 meses, e de todas as edificações nos próximos dez anos.

Bairro Quartier

VANTAGENS

Os benefícios em incorporar soluções sustentáveis em um projeto como o Quartier são muitos, entre os quais ele destaca a preocupação ambiental, que gera maior qualidade de vida a um custo reduzido para o morador e para o usuário. “Um estudo de 2003 da Força-Tarefa de Construção Sustentável da Califórnia mostra que um investimento inicial do projeto verde de apenas 2% vai produzir uma economia de dez vezes o investimento inicial, com base em um período muito conservador de 20 anos de construção. Por exemplo, R$ 40 mil em design ecológico de um projeto com valor total de R$ 2 milhões serão pagos em apenas dois anos. Em mais de 20 anos a economia será de R$ 400 mil. Em outras palavras, construir de forma sustentável é mais barato”, destaca.

A certificação LEED prevê madeiras com manejo controlado (FSC), itens com conteúdo reciclado e pavimentos com determinados índices de refletância. Além disso, matérias-primas produzidas e vendidas localmente também serão priorizadas.

Teitelbaum ressalta outro benefício indireto, proporcionado por edifícios sustentáveis, que muitas vezes é esquecido: a demanda reduzida em elétrica, gás e serviços públicos de água. “Isso pode resultar em menores preços dos serviços públicos municipais a longo prazo, além de evitar o repasse dos custos de expansão aos clientes destas concessionárias”, diz o engenheiro, afirmando que os benefícios gerados são extremamente visíveis, e o cliente sente seus efeitos no bolso.


“Não podemos dizer que o Quartier é totalmente sustentável, porém é possível afirmar que é mais sustentável que um projeto padrão. Ao colocarmos o desafio da certificação LEED, procuramos uma consultoria (Sustentech) para, em conjunto com nossa engenharia já experiente em trabalhos com essas características, fazer do Quartier um projeto de sucesso. Tirar do papel estas ideias e estes conceitos e transformá-los em realidade é o nosso grande desafio”, finaliza Teitelbaum, lembrando que o case bairro Quartier será apresentado na Expo Arquitetura Sustentável – feira internacional, que acontece em agosto, na cidade de São Paulo.

Bairro Quartier

Colaborou para esta matéria

Luiz Augusto
Claudio Teitelbaum – Mestre em Administração de Empresas pelo PPGA – UFRGS e Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É diretor de Qualidade e Relacionamento com o Cliente do Escritório de Engenharia Joal Teitelbaum, responsável pela Gestão da Qualidade na empresa. Conduziu os processos de premiação do Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ-2003), promovido pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), dos Troféus Diamante (2003 e 2004), Ouro (2002), Prata (2001) e Bronze (1999 e 2000) do Prêmio Qualidade RS, promovido pelo PGQP. É vice-presidente do Sinduscon-RS, examinador sênior, orientador e instrutor da Banca Examinadora do Prêmio Nacional da Qualidade, membro do Conselho Diretor PGQP e representante da Joal Teitelbaum no United States Green Building Council e no Green Building Council Brasil.