Quais critérios seguir na hora de comparar custos de esquadrias?

Em PVC, alumínio, aço ou madeira, as janelas são produtos técnicos que exigem requisitos de equivalência para equalizar custos de compra, instalação e manutenção. Confira dicas!

Publicado em: 01/12/2022

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

foto de uma pessoa segurando uma espátula e uma tabua com argamassa líquida em cima
(Foto: Shutterstock)

A comparação dos custos de compra, instalação e manutenção de esquadrias deve seguir alguns critérios. É preciso estabelecer dados semelhantes em tipologia, dimensões, padrão do empreendimento e do produto. Em PVC, alumínio, aço ou madeira, os caixilhos têm características técnicas particulares e são produzidos em escala ou sob projeto, fator que merece atenção, pois há desde produtos certificados até aqueles de qualidade duvidosa.

Segundo o especialista Joel Carlos Ferreira de Souza, titular da SSG Consultoria, as esquadrias em PVC são mais utilizadas em hotelaria e em residências de alto padrão, assim como as produzidas em madeira, principalmente quando sob encomenda.


“Janelas em alumínio ocupam o primeiro lugar entre todos os materiais nas obras de edifícios residenciais de médio e de alto padrão. Já nas habitações de interesse social é comum a instalação de caixilhos de aço”, explica.

Janelas em alumínio ocupam o primeiro lugar entre todos os materiais nas obras de edifícios residenciais de médio e de alto padrão. Já nas habitações de interesse social é comum a instalação de caixilhos de aço
Joel Carlos Ferreira de Souza

A seguir, ele faz a comparação de custos, considerando janelas de correr com veneziana, nas medidas de 1,50 x 1,50 m, com ótimo padrão de qualidade e certificadas.

PVC x alumínio

De acordo com Souza, os caixilhos em PVC são os mais caros entre todos. Dependendo das dimensões dos perfis, o preço chega a ser 35% maior do que o da janela de alumínio. “O custo de instalação desses dois produtos não varia muito, porque ambos utilizam contramarco que é chumbado no vão”, diz, observando que o contramarco das janelas em PVC não são convencionais e, muitas vezes, são dotados requadração mais rígida onde a peça é aparafusada. O custo das esquadrias abrange o do contramarco, que é entregue na obra previamente, para ser instalado junto com a alvenaria.

“As esquadrias em PVC, principalmente quando instaladas em hotéis, praticamente não exigem manutenção. Até porque sua operação é limitada – no caso, são usadas na tipologia maxim-ar que abrem, no máximo, 15 cm”, diz o consultor.

Aplicadas em residências, as janelas em PVC e alumínio terão custo de manutenção ao longo de sua vida útil conforme os cuidados de operação exercidos pelos usuários. Ambas embarcam acessórios de ótima qualidade, ensaiados em laboratório para 10 mil ciclos, porém de forma controlada. “É diferente do uso diário: quando se tem a pessoa operando, entram fatores como a força da mão, o que implica desgaste maior das peças”, fala.

Aço

Nas últimas décadas, houve importante evolução tecnológica das janelas em aço, a ponto de diversas marcas terem conquistado certificação da qualidade. São encontradas no mercado por preço até 25% menor do que as de alumínio de igual padrão. Diferentemente das esquadrias de PVC ou alumínio que são vendidas já com acabamento anodizado ou pintado, alguns modelos das esquadrias de aço recebem a pintura na obra, elevando um pouco o custo.

O fato de não serem dotadas de contramarco encarece o custo de instalação, principalmente em obras de habitação de interesse social, onde predominam. “É comum que a execução dos vãos nessas obras seja mais precária. O procedimento para instalar as janelas de aço exige gabarito travado seguido pelo aparafusamento da peça. Ao retirar o gabarito, restam espaços vazios nos vãos que obrigam o preenchimento com massa. Esse procedimento é mais caro do que simplesmente aparafusar a peça no contramarco”, explica o consultor.

Ao longo de sua vida útil, mesmo os caixilhos de má qualidade são passíveis de procedimentos de manutenção, podendo incluir uma nova pintura após tratamento de eventuais pontos de ferrugem. “Mas, se tiverem qualidade superior, a manutenção terá custo similar às de alumínio. Ambas utilizam acessórios parecidos, produzidos pelos mesmos fornecedores. As janelas são um pouco mais pesadas, porém não o suficiente para implicar em maior desgaste dos componentes”, afirma.

Madeira

Esquadrias de madeira sob encomenda são consideradas as melhores em qualidade e acessórios. Marcenarias experientes entregam janelas excelentes, com vedação e rebaixo para garantir a estanqueidade à chuva e ao vento, entre outros recursos. “São superiores em relação às padronizadas de madeira”, diz, indicando que o custo das customizadas se aproxima dos praticados para janelas em PVC e, as feitas em escala têm preços próximos ao das peças em alumínio.

A instalação das janelas e de portas em madeira é atividade que a obra tem total domínio, bastando chumbar o batente na parede e fixar a esquadria. “É um conceito similar ao do contramarco, o que aproxima o custo de instalação ao das janelas de alumínio”, diz. Os acessórios dessas esquadrias não são os mesmos das demais. Em geral, utilizam elementos comuns em portas, como cremonas e fechaduras. E, se for uma maxim-ar, é comum que use braços metálicos, como as de alumínio.

No entanto, o custo de manutenção é o maior entre todas as opções de materiais. “Se será maior ou menor, vai depender da madeira empregada que deve ser de boa qualidade, seca e tratada. Para manter, protegendo a peça das intempéries, é fundamental que seja pintada ou envernizada com produto hidrofugante com periodicidade de três e cinco anos.

LEIA TAMBÉM
Escolha de esquadrias deve ser guiada por requisitos técnicos
Esquadria personalizada é solução para vãos com tamanho diferenciado

Colaboração técnica

Joel Carlos Ferreira de Souza  – Administrador de empresas formado pela Faculdade de Administração de Empresas da Universidade São Marcos (1982). Respondeu pela área industrial e técnica da serralheria do Liceu de Artes e Ofício entre 1979 e 1998. Participa de comissões para elaboração de normas técnicas na área de componentes metálicos para construção civil e desenvolvimento de programas de qualidade. Em 1993, assumiu a direção técnica e gerencial da SSG, empresa especializada em componentes metálicos para construção civil e em soluções de fechamentos em vidros corta-fogo ( E, EI e EW ).