Qualidade do óleo influencia no desempenho de geradores

É preciso seguir a rotina de manutenção estabelecida pelos fabricantes a fim de evitar contaminação e prolongar a vida útil desses equipamentos

Publicado em: 04/11/2014Atualizado em: 13/04/2015

Texto: Redação PE

As manutenções periódicas nos grupos geradores garantem operacionalidade em condições apropriadas. O bom funcionamento proporciona melhor desempenho de energia e está diretamente relacionado aos cuidados já pré-recomendados pelos fabricantes. Esses procedimentos contribuem para prevenir falhas e aumentar a vida útil do equipamento.

Um sistema de lubrificação eficiente requer filtros de boa qualidade e óleo sem contaminação, como explica Gilson Alves de Carvalho, gerente de serviços da MTU Rolls-Royce Power systems AG. ”Geralmente, são nos momentos de intervenção e troca de óleo que o filtro se contamina. Ao retirar o filtro da embalagem, esse componente não pode ficar exposto às partículas do ambiente externo da obra por muito tempo”.

O consultor técnico da empresa Deutz, Igor dos Santos, concorda com Gilson. “A troca de filtro indevida contamina o óleo e o próprio componente. O local de armazenamento deve estar sempre limpo e com condições para que se realize qualquer intervenção”.

Gilson comenta sobre outros procedimentos indevidos com óleos em grupos geradores. “Quando se enche o filtro com combustível utilizando qualquer recipiente para evitar entrada de ar no motor por exemplo. Essa é uma das principais ações contaminantes”, ressalta. Para ele, essa atitude é incorreta porque cada motor tem seu mecanismo de retirada de ar, sem preencher o filtro antes de instalá-lo no equipamento, como é feito em muitas oficinas.

Igor também ressalta a importância das trocas. “Com o grupo de geradores, a manutenção preventiva e corretiva tem como base a troca de óleo, filtros de ar e combustível, fluido do radiador”. De acordo com ele, essa operação deve ser realizada após 250 horas ou seis meses de uso.

José Luís Gomes, supervisor de serviços da Cummins, acrescenta que o usuário precisa ficar atento aos mínimos detalhes. “É importante verificar as conexões e disjuntores, chaves automáticas de transferências, aterramentos, filtros, combustíveis e qualidade de óleo.Todos esses elementos são decisivos para um bom desempenho”.

Ele ainda reforça a disciplina dos usuários para seguir as recomendações dos fabricantes em relação à manutenção de geradores. “Muitos clientes só sabem que possuem geradores quando ficam sem energia. Todos os equipamentos devem ter manuais e especificações de manutenção. Neles, o cliente encontrará o período e o tipo de manutenção recomendada”.

Qualidade dos combustíveis e óleos

Além dos descuidos no momento da troca do óleo dos geradores, outro problema é a qualidade e procedência do lubrificante ou combustível. O biodiesel, por exemplo, pode acarretar no diesel a propriedade de absorver mais água e proliferar fungos: eles se acumulam numa borra ao fundo do tanque de combustível e, em seguida, passam para o filtro, que fica com aproximadamente 50% da vida útil comprometida.

Por isso, os especialistas recomendam que o biocombustível fique armazenado em tanques externos, em estoques de no máximo seis meses. Caso esse período expire, ocorre o acumulo de água e fungos que além de gerarem contaminação, comprometem a injeção eletrônica do equipamento. “Imagine uma região úmida, como o Norte do país. Os equipamentos e combustível chegam de balsa e são comprometidos por chuvas quase o ano inteiro. Nesse caso, o diesel absorve muita água”, reforça Gilson.

Ele acrescenta que a qualidade e o local de armazenamento são fatores muito importantes. O combustível não pode ficar exposto ao sol e nem próximo de ambientes mais quentes, pois pode acarretar problemas na bomba injetora e no filtro de combustível dos geradores. Além disso, toda a filtragem deve contar com um pré-filtro pois é o componente retentor de toda a sujeira e o primeiro a perder efeito.

As empresas orientam que o motor diesel tenha filtro próprio, alguns com sistemas primários e secundários. Porém, antes de o óleo ser injetado no grupo gerador e passar pela filtragem do motor, já deve ter sido filtrado quando sai do tambor. Se esses cuidados forem tomados, o usuário terá um custo definido do equipamento conforme o informado pelo fabricante e vai reduzir prejuízos desnecessários.

Tecnologia a favor do meio-ambiente

A instalação de catalisadores em novos grupos geradores para reduzir a emissão de poluentes oriundos da queima de combustíveis é uma solução viável que visa atender aos itens de sustentabilidade exigidos. Os motores com baixa emissão de poluentes é uma tendência mundial atrelada à tecnologia de injeção, que precisou ser aperfeiçoada com menor consumo de combustível e maior proximidade estrutural dos componentes.

A Deutz, por exemplo, começou a vender geradores que reduzem os gases poluentes, como o monóxido de carbono, óxidos de enxofre e carbono. Já a Cummins conta com tecnologia para redução de emissões que se adéqua as legislações mundiais como a injeção aliada a sistemas como DOC (Diesel Oxidation Catalyst), CCC (Close Coupled Catalyst) e DPF (Diesel Particulate Filter), são soluções em uso em diversos países.  

 

Colaboraram para esta matéria

 

Gilson Alves de Carvalho- gerente de serviços da MTU Rolls-Royce Power systems AG

Igor dos Santos- consultor técnico da Deutz 

José Luís Gomes- supervisor de serviços da Cummins