Resistência do concreto aumenta décadas depois de sua concretagem

Essa é uma das constatações de pesquisa que visa auxiliar a preservação das estruturas e o desenvolvimento de novas tecnologias de concreto

Publicado em: 12/02/2021Atualizado em: 19/10/2022

Texto: Juliana Nakamura

Estudo do IPT sobre concreto
Pesquisadores analisaram a resistência do concreto passados 86 anos de sua confecção (Foto: Augusto Colin/Divulgação IPT)

Todos sabem que o concreto é um material capaz de produzir estruturas duráveis. Mas como ele se comporta passadas mais de cinco décadas desde sua concretagem? Em busca de respostas para essas perguntas, os pesquisadores do Laboratório de Ensaios de Materiais iniciaram um projeto pioneiro em 1933. Sob a liderança do engenheiro Ary Torres, o trabalho envolveu a elaboração de corpos de prova com composições diferentes de traço. O objetivo era fazer com que essas peças, armazenadas sob condições controladas, pudessem ser rompidas e avaliadas em momentos distintos ao longo dos anos.

Em 2019, de um total de 15 mil amostras elaboradas pelo grupo nos anos 1930, 1940, 1950 e 1960, mais de 400 permaneciam armazenadas em câmara úmida do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Essa coleção permitiu aos pesquisadores um feito inédito no Brasil: a análise da resistência do concreto após 86 anos de sua confecção.

Leia também: Compra de concreto exige conhecimento de normas técnicas e concreteiras

No caso da determinação da velocidade de propagação de onda ultrassônica, os resultados apontaram valores de velocidade superiores a 4.500 m/s, o que indica que se trata de um concreto de excelente qualidade. Já os resultados dos ensaios mecânicos mostraram que os concretos continuaram a ganhar resistência ao longo do tempo
Osmar Hamilton Becere

PRINCIPAIS CONCLUSÕES

Uma vez rompidos, os corpos de prova históricos foram submetidos ao ensaio não destrutivo de determinação da velocidade de propagação de onda ultrassônica e ao ensaio de determinação da resistência à compressão. Também foram realizados análise petrográfica microscópicas e determinação da microporosidade total por análise de imagens de microscopia de fluorescência. Os dados obtidos foram comparados aos da ruptura de amostra semelhante com 28 dias de sua produção.

“No caso da determinação da velocidade de propagação de onda ultrassônica, os resultados apontaram valores de velocidade superiores a 4.500 m/s, o que indica que se trata de um concreto de excelente qualidade. Já os resultados dos ensaios mecânicos mostraram que os concretos continuaram a ganhar resistência ao longo do tempo”, relata o pesquisador do IPT, Osmar Hamilton Becere.

amostras de concreto do IPT
Peças foram armazenadas sob condições controladas (Foto: Augusto Colin/Divulgação IPT)

“Apesar de os resultados não indicarem um crescimento linear nesse tempo, foi constatado, em uma das amostras, um ganho significativo de resistência mecânica de 160% em comparação à idade de controle de 28 dias”, comenta a pesquisadora do IPT Priscila Rodrigues Melo Leal. Ela explica que os valores de resistência à compressão entre todas as amostras variaram de 36 MPa (amostra moldada em 1964) a 45,7 MPa (amostra moldada em 1954), correspondente a concretos com idade entre 55 a 86 anos.

Confira também: 

Cimento branco

Argamassa

Cimentos Impermeabilizantes

Argamassa para Impermeabilização

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA

Os concretos produzidos atualmente são muito diferentes dos produzidos há oito décadas. Devido às crises energéticas e ao aprimoramento das tecnologias de produção, os cimentos começaram a ser produzidos com adições minerais. Também foram desenvolvidos agregados artificiais e aditivos específicos para a produção do concreto, que permitem a obtenção de resistências à compressão elevadas, reduzindo as dimensões de elementos construtivos.

“Com relação à durabilidade desses novos concretos, é necessário um estudo de longa duração, semelhante ao que foi realizado pelo IPT para verificar o impacto dessas tecnologias e insumos na durabilidade dos concretos”, diz Karoline Mariana Gonçalves Freitas, assistente de pesquisa no IPT. Segundo ela, os próximos passos do estudo preveem a realização dos ensaios de difratometria de raios-X, análise termogravimétrica e microscopia eletrônica de varredura, entre outros, para aprofundar o conhecimento da microestrutura desses concretos.

O estudo sobre o comportamento do concreto ao longo do tempo abre um leque de novas oportunidades de análise e compreensão desse material tão utilizado na construção civil. As informações coletadas irão compor um banco de dados que podem servir de apoio para a evolução da tecnologia do concreto e da indústria nacional. Além disso, compreender o comportamento do concreto é de fundamental importância para a preservação de edificações e obras de infraestrutura existentes.

Leia também:

Cobrimento de armaduras determina durabilidade de estruturas de concreto
Durabilidade de estruturas de concreto está sujeita à ação do meio ambiente

Colaboração técnica

 
Priscila Rodrigues Melo Leal — Graduada em geologia pela Universidade de São Paulo e mestrado em geociências pela mesma instituição. É pesquisadora do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT).
 
Osmar Hamilton Becere — Graduado em tecnologia em construção civil pelo Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. É pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT).
 
Karoline Mariana Gonçalves Freitas — Engenheira-civil, atua como assistente de pesquisa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), desenvolvendo atividades de pesquisa e prestação de serviços tecnológicos na área de materiais de construção civil, com foco em concreto.