Saiba como escolher furadeiras de bancada e usá-las com segurança

Equipamentos realizam furos na horizontal e são indicados para trabalhos que demandam precisão. Conheça os critérios para selecionar o melhor modelo

Publicado em: 23/10/2018

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

furadeira-bancada
Equipamento garante maior estabilidade ao operador (foto: shutterstock.com / guteksk7)

A furadeira de bancada é um equipamento utilizado por carpinteiros, marceneiros e serralheiros principalmente para realizar perfurações na horizontal em chapas metálicas e madeiras.

Diferentemente das furadeiras portáteis, esse tipo de ferramenta conta com uma mesa (ou bancada) acoplada que pode ser fixa, giratória e com inclinação. Tal característica garante ao operador maior estabilidade, evitando trepidações durante a realização do trabalho e assegurando furos mais precisos. Alguns modelos, quando equipados com lixadeira de tambor no mandril e coletor de pó, podem funcionar também como uma eficaz máquina de lixar.

Veja fornecedores de furadeiras no portal AECweb

CARACTERÍSTICAS DAS FURADEIRAS DE BANCADA

As furadeiras de bancada são máquinas de pequenas dimensões, equipadas com motor com potência padrão de 1/2 cv, embora seja possível encontrar modelos com potência um pouco maior e um pouco menor. Essas máquinas se diferenciam das furadeiras de coluna, que são de maior porte, indicadas para furações de maior diâmetro, podendo chegar até duas polegadas.

Alguns modelos possuem recursos que facilitam a operação, como mandril de aperto rápido, bicos de refrigeração para corte e luminária de led
Luca Perim

Por serem menos potentes que as versões portáteis, as furadeiras de bancada podem apresentar alguma dificuldade na operação com brocas de diâmetros grandes, caso das serras copo. No entanto, funcionam bem quando utilizadas com ferramentas de diâmetros mais triviais, como as brocas de aço rápido, por exemplo.

Uma característica das furadeiras de bancada é possuir limitador de profundidade e grampos na bancada para ajudar a fixar as peças a serem perfuradas e garantir maior precisão. A indústria disponibiliza modelos equipados com visor de rotação digital, laser para indicar o ponto exato onde será feita a perfuração e cremalheira, útil para ajustar a mesa quando se precisa furar peças com espessuras muito diferentes.

Ergonomia e rotação inicial (em rpm) são outros pontos que distinguem as diversas furadeiras de bancada disponíveis no mercado. “Alguns modelos possuem recursos que facilitam a operação, como mandril de aperto rápido, bicos de refrigeração para corte e luminária de led”, diz Luca Perim, analista de compras da Rede Casa do Construtor.

COMO ESCOLHER?

A aquisição de furadeiras de bancada deve se respaldar na análise de alguns critérios. O primeiro deles diz respeito ao tipo de aplicação que terá o equipamento. Alguns modelos são adequados para aplicações leves, com brocas de até 13 mm. Outros são capazes de atender aplicações mais pesadas, com brocas de até 16 mm.

“O critério fundamental para utilização de uma furadeira de bancada é a precisão que ela oferece. Por isso mesmo, a máquina deve ter uma estrutura robusta e motor com potência suficiente para perfuração”, sintetiza Perim.

Um cuidado importante na hora de selecionar esse tipo de equipamento é certificar-se de adquirir um modelo produzido por empresa idônea e que presta um bom atendimento a seus clientes no Brasil. O tempo de garantia oferecido pelo fabricante é outro fator a ser analisado. Alguns oferecem seis meses, enquanto outros dão até um ano.

O critério fundamental para utilização de uma furadeira de bancada é a precisão que ela oferece. Por isso mesmo, a máquina deve ter uma estrutura robusta e motor com potência suficiente para perfuração
Luca Perim

RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA

De modo geral, as furadeiras de bancada são equipamentos de uso seguro. Isso não significa que possam prescindir de alguns cuidados. O principal deles é o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados. Para o manuseio seguro da furadeira de bancada deve-se utilizar luvas, óculos e protetores auriculares.

Também é recomendável o uso de tela de policarbonato para proteção do operador contra cavacos, fluidos cortantes ou estilhaços que possam ser dispersos no momento da operação. Esse acessório deve atender a norma brasileira NR-12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos.

A furadeira precisa ser instalada em uma bancada de base fixa e rígida, presa por parafusos. A instalação elétrica, por sua vez, deve ser executada por profissional habilitado, evitando fuga de corrente para o operador decorrente da falta de aterramento.

O equipamento deve estar sempre limpo e lubrificado. “Também é importante manter constantemente a regulagem da transmissão, para evitar perda de potência e diminuição de rotações por minuto”, comenta Perim.

ALUGAR OU COMPRAR?

De acordo com o analista da Casa do Construtor, o aluguel de furadeiras de bancada costuma ser competitivo quando o equipamento será utilizado por períodos curtos. “A locação pode ser indicada, ainda, em situações nas quais, apesar do uso do equipamento ser contínuo, como em oficinas de manutenção, a empresa quer evitar despesas com a compra da máquina, com a depreciação e com a manutenção”, diz ele.

PRINCIPAIS TIPOS DE FURADEIRAS

• Portáteis – A força de avanço vem do operador que empurra a furadeira contra o material escolhido, enquanto a rotação vem de um motor da própria furadeira. Podem ser movidas à bateria ou à energia elétrica.

• Furadeira pneumática – De uso manual, têm motores de acionamento pneumático, rotativos ou percussivos.

• Furadeiras de coluna – Possuem uma coluna de união entre a base e o cabeçote que possibilita a furação de elementos com as formas mais diversificadas. São utilizadas para perfurações de peças de maiores dimensões.

• Furadeiras de bancada – São máquinas geralmente de dimensões pequenas, utilizadas para pequenas perfurações. O avanço do mandril se dá por meio de uma alavanca que o operador avança aos poucos.

Colaboração técnica

Luca Perim Júnior – Formado em administração de empresas e técnico em mecânica industrial pelo Senai-SP, atua como analista de compras da Rede Casa do Construtor.