Saiba como fazer a limpeza de rejuntes

Desde o momento em que o material é aplicado até a manutenção diária, é preciso atentar para as orientações dos fabricantes

Publicado em: 27/05/2021

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Limpeza de rejuntes
A limpeza deve ser feita com pano limpo, água e detergente neutro (Foto: CSImagemakers/Shutterstock)

São várias as receitas caseiras para a limpeza dos rejuntes, desde as mais agressivas, como soda cáustica, até o vinagre e o bicarbonato de sódio. Há também disponíveis no mercado produtos específicos, muitos deles desenvolvidos pelos próprios fabricantes de rejunte. De acordo com a tecnóloga em Construção Civil, Marcia Rodrigues da Silva, professora do Senai-SP, a limpeza deve ser feita com pano limpo, água e detergente neutro, independentemente do tipo de revestimento cerâmico ou do rejunte.

Para os rejuntes cimentícios, é preciso aguardar um tempo mínimo de 14 dias de cura do produto para iniciar limpezas rotineiras
Marcia Rodrigues da Silva

O procedimento de limpeza ao longo da vida útil do rejunte é igual para os três tipos existentes: cimentício, epóxi e acrílico. “Para os rejuntes cimentícios, é preciso aguardar um tempo mínimo de 14 dias de cura do produto para iniciar limpezas rotineiras”, ensina, condenando o uso de produtos à base de ácidos, pois, além de agredir o rejunte, danifica as placas cerâmicas, comprometendo sua estética e vida útil.

Limpeza inicial

Após a aplicação do rejunte, a limpeza é realizada com a utilização de um pano úmido ou espoja úmida, obedecendo um tempo de secagem prévio que varia em função do tipo de rejunte aplicado. Para rejuntes cimentícios, esse tempo será de 15 a 40 minutos após a finalização da aplicação. Já os acrílicos podem ser limpos depois de 30 a 40 minutos, enquanto os rejuntes epóxi têm tempo mais restrito, ou seja, a limpeza após a aplicação não deverá ultrapassar os 30 minutos.

A tecnóloga alerta que, durante a aplicação, o operador deve sempre diminuir ao máximo o espalhamento de resíduos de rejunte sobre as peças rejuntadas. “Além disso, ele precisa atender as orientações do fabricante do rejunte, quando há produto recomendado para realização de limpeza pós-obra”, diz. Porém, deve verificar a compatibilidade do limpador com o grau de porosidade das cerâmicas, porcelanatos e azulejos.

“Se a limpeza acontecer no momento correto somente com pano úmido ou espoja úmida, isso poderá ser feito após a aplicação. Já limpezas rotineiras serão feitas com pano limpo, água e sabão neutro”, frisa. Em qualquer um dos casos, é incomum que a limpeza altere o tom dos rejuntes coloridos. No entanto, caso aconteça, mesmo seguindo as orientações corretas, o fabricante deverá ser informado para poder prestar a assistência necessária ao cliente.

Troca de rejuntes

Ao longo do tempo, os rejuntes podem apresentar sinais de desgaste, exigindo sua substituição. “Estamos falando do aparecimento de rugosidades e/ou porosidades que criam pontes de aderência de microrganismos e sujidades comuns a esse produto”, aponta Silva. A troca do material, seja ele cimentício, acrílico ou epóxi, deve ser feita de modo mecânico, com a utilização de um raspador de rejuntes.

Os acrílicos e epóxi são mais resistentes e duráveis. Sua remoção exigirá maior cuidado e técnica, assim como para o tamanho de abertura das juntas entre as peças cerâmicas
Marcia Rodrigues da Silva

Estão disponíveis no mercado alguns modelos de raspadores, que serão mais adequados a cada tipo de rejunte. “Os acrílicos e epóxi são mais resistentes e duráveis. Sua remoção exigirá maior cuidado e técnica, assim como para o tamanho de abertura das juntas entre as peças cerâmicas”, orienta. Após a remoção do rejunte antigo, deve-se certificar que não há resíduos soltos que interfiram na aplicação e aderência do novo. Em seguida, a área deve ser limpa para a aplicação do novo rejunte, conforme as orientações do fabricante.

A tecnóloga avisa que jamais se deve simplesmente adicionar novo rejunte sobre o existente danificado. “Nesse caso, o rejunte novo não vai aderir ao antigo, mas se destacar ao longo do tempo de utilização, diminuindo muito a sua vida útil”, afirma. Essa condição sairá mais caro, pois pedirá reparos constantes.

Leia também:

Saiba como aplicar rejuntes em pisos e azulejos
Argamassas – como e onde usar

Colaboração técnica

 
Marcia Rodrigues da Silva – Tecnóloga e Técnica em Construção Civil, trabalha na área da construção civil deste de 2010, sendo cinco anos como fiscal de obras e, em paralelo, ministrando cursos na área da construção civil pelo Senai-SP.