Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Saiba qual é a função da caixa de gordura, como instalar e limpar

Solução fundamental para o bom funcionamento do sistema hidráulico em cozinhas, a caixa de gordura evita entupimentos em tubulações causados por dejetos. Saiba mais

Publicado em: 20/07/2015Atualizado em: 28/02/2023

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

As caixas de gordura previnem entupimentos causados por dejetos provenientes da cozinha, por isso são componentes de grande importância no sistema hidráulico. O equipamento funciona por meio de um sifão que retém a gordura dentro da caixa e a impede de ficar circulando pela tubulação. Ele é dividido em duas câmaras, uma receptora e outra vertedoura, separadas por um septo não removível. “A função a que se destina é a mesma tanto em residências, quanto em comércio ou indústrias. O que pode variar em cada situação é o tamanho do produto a ser utilizado e o tipo de material empregado em sua fabricação”, explica a engenheira Fabiana Castro, gerente de produtos e inovação da Mexichem Brasil, detentora da marca Amanco.

DIMENSÕES DO PRODUTO

O tamanho das caixas de gordura está diretamente relacionado à sua capacidade de retenção. A pequena pode reter 18 litros, a simples 31 litros, a dupla 120 litros e a especial tem seu volume calculado a partir de uma fórmula que leva em consideração o número de pessoas servidas pelas cozinhas que despejam seus dejetos na caixa, no momento de maior fluxo.

A falta de limpeza das caixas de gordura poderá causar alguns transtornos, como transbordamento pela tampa, entupimento das canalizações, escoamento lento da água pelo ralo da pia, mau cheiro, entre outros
Fabiana Castro

“A especificação da caixa de gordura em um projeto leva em consideração a quantidade de cozinhas do local, o número de refeições feitas diariamente e/ou o volume de esgoto a ser despejado”, informa Castro.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR 8160) indica que, para a coleta de esgoto proveniente de apenas uma cozinha, pode ser usada caixa de gordura pequena ou simples. Já quando são duas cozinhas, é indicada a utilização de simples ou dupla. “Para a coleta de três até 12 cozinhas, deve ser usada caixa dupla. Quando são mais de 12 cozinhas, ou ainda, em restaurantes, escolas, hospitais, entre outros empreendimentos, são exigidas caixas de gordura especiais”, complementa Carlos Teruel, gerente de produtos e assistência técnica da Tigre.

Veja também:
Veneziana Industrial
Penebar SW 55 
Carregador de Bateria 

COMO INSTALAR

O primeiro passo da instalação é colocar o equipamento na vala para verificar seu alinhamento. Após encaixar manualmente todas as peças da caixa de gordura, a tarefa seguinte é soldar os canos de entrada e saída. A aplicação de adesivos plásticos entre as partes para garantir a vedação é outra ação recomendável. “A caixa é assentada sempre sobre uma camada de areia bem compactada, lançada no fundo da vala da rede de esgoto. O solo de reaterro em volta do produto deve ser muito bem compactado para garantir um apoio firme para o porta-tampa”, diz Teruel. Se necessário, o ajuste da profundidade é feito com a utilização de prolongadores.

Baixe o Template gratuito de Gestão de Estoque e tenha maior controle sobre suas operações!

COMO LIMPAR

Pelo fato de a gordura ser mais leve do que a própria água, a mistura acumulada na caixa flutuará. O material retido se tornará duro com o tempo e ficará alocado na parte superior do equipamento. Para fazer a limpeza, é necessário retirar a tampa de acabamento com uso de espátula ou chave de fenda, remover a cesta e despejar seu conteúdo em um saco de lixo. Em seguida, é só encaixar novamente a cesta e a tampa e descartar o saco plástico em lixo comum.

Em relação às caixas convencionais de alvenaria, o produto industrializado tem como vantagens a rapidez e a facilidade de montagem, sem necessidade de esperar o tempo de cura do cimento
Carlos Teruel

“A falta de limpeza das caixas de gordura poderá causar alguns transtornos, como transbordamento pela tampa, entupimento das canalizações, escoamento lento da água pelo ralo da pia, mau cheiro, entre outros”, avalia Castro. O recomendável é que o procedimento seja realizado, pelo menos, a cada seis meses.

Também é possível realizar a limpeza despejando na caixa um produto que contém bactérias que se alimentam da gordura.

Para manutenção, não é aconselhável utilizar sabão em pó, água quente ou produtos químicos, pois, além de corroerem o concreto, as tubulações e os anéis de vedação hidráulica, provocam danos ao meio ambiente.

Defina a prioridade de manutenção do seus ativos com o template gratuito de "Mapa de Criticidade". Baixe agora mesmo!

INDUSTRIALIZADA OU DE ALVENARIA

As caixas de gordura fabricadas a partir de PVC contam com paredes lisas que não geram incrustações de gordura. O plástico também garante durabilidade e maior vida útil ao produto. Por outro lado, as tampas feitas em ABS são totalmente vedadas, impedindo o mau cheiro e a entrada de insetos. “Em relação às caixas convencionais de alvenaria, o produto industrializado tem como vantagens a rapidez e a facilidade de montagem, sem necessidade de esperar o tempo de cura do cimento”, compara Teruel.

Diferença entre caixa de gordura e caixa de inspeção

Tratam-se de dois produtos diferentes do sistema hidráulico. Enquanto o esgoto da cozinha é ligado à caixa de gordura, a tubulação que sai dos banheiros e lavanderia é conectada à caixa de inspeção.

Leia também: Como driblar a alta dos preços de materiais de construção?

Colaboraram para esta matéria

Carlos Teruel – engenheiro civil pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas/SP (PUCCAMP), pós-graduado em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Há 16 anos atua na área de marketing de produtos, assistência técnica e capacitação. Atualmente, gerencia a área Corporativa de Marketing de Produtos da Tigre Tubos e Conexões, respondendo pelas áreas de Produtos, Assistência Técnica e Capacitação e Gestão Técnica-Institucional com foco na identificação de novas oportunidades e tendências em produtos e sistemas, no Brasil e no exterior..
Fabiana Castro – engenheira de materiais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), pós-graduada em Administração Industrial e com MBA Executivo Internacional em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Trabalhou na Cerâmica Gyotoku, Cerdec e Saint-Gobain, onde, ao longo de 10 anos, foi gerente das áreas de Produtos e Marketing, Novos Negócios e de Mercado. Há mais de um ano responde pela gerência de Produtos e Inovação da Mexichem Brasil.