Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Sistema reciclador de resíduos faz a diferença em obras do Ilha Pura no RJ

O reaproveitamento concreto residual é o grande desafio sustentável que não compromete o cronograma de um empreendimento deste porte

Publicado em: 12/09/2013Atualizado em: 01/11/2013

Texto: Redação PE

Um sistema de reciclagem de concreto é uma das grandes novidades do canteiro de obras do novo bairro Ilha Pura, uma das maiores obras imobiliárias do Rio de Janeiro dos dias atuais. Formado por autobetoneiras e recicladores de concreto residual da marca alemã Schwing Setter, o sistema é capaz de medir as partículas sólidas de todo o material reciclado, incluindo o reaproveitamento da água utilizada e realizar a reciclagem do concreto residual das betoneiras, com recuperação significativa dos agregados. Em Ilha Pura, o concreto será utilizado para a execução de bancos de jardim, além de servir para a fabricação de um novo concreto. Já o reaproveitamento da água será na produção de um novo material.

A diminuição da emissão de gases de efeito estufa também é uma das soluções encontradas para não agredir o meio ambiente no empreendimento de Ilha Pura. Centrais misturadoras foram construídas no local para evitar o deslocamento de caminhões e, com isso, controlar as emissões.

Estima-se que seriam necessárias 12.500 viagens de caminhões para transportar todo o concreto produzido na obra. Os 60 mil m³ de concreto produzidos nas centrais evitam a emissão de 170 tC02e (toneladas de carbono equivalente), o que significa a queima de 67 mil litros de óleo diesel.

A distância dos fornecedores de insumos é de aproximadamente 7,8 km sendo que, com as usinas dentro da obra, a distância é reduzida para 500 metros. A estimativa da redução esperada para toda a obra será de aproximadamente 2,83 tCO2e/1.000 m³ de concreto produzido na Ilha Pura.

Sobre Ilha Pura

Fruto da parceria entre a Odebrecht Realizações Imobiliárias e Carvalho Hosken S/A, a Ilha Pura será um novo bairro com mais de 800 mil m² na Barra da Tijuca. O empreendimento nasce com a construção da Vila dos Atletas, morada oficial dos 18 mil membros das delegações presentes nas Olimpíadas de 2016.

Depois, os 31 prédios residenciais de 17 pavimentos cada, divididos em sete condomínios, totalizando 3.604 apartamentos de dois, três e quatro quartos no total, serão uma das moradas mais ecológicas do Rio de Janeiro.

Atualmente são 1.800 funcionários trabalhando na obra que tem previsão de término para o final de 2015. Ano que vem, no auge da construção do bairro, sete mil funcionários estarão trabalhando no canteiro.

Fonte: Ricardo Lessa, Presidente da Schwing Setter
Divulgação - Odebrecht Realizações Imobiliárias
Foto ilustrativa: Schwing Setter