Sistemas construtivos industrializados agilizam obras residenciais

Materiais pré-fabricados proporcionam maior velocidade à construção e reduzem geração de resíduos, consumo de energia e mão de obra

Publicado em: 22/11/2016Atualizado em: 23/11/2016

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

A alvenaria de blocos e o concreto armado ainda são os sistemas construtivos mais empregados na construção residencial brasileira. Mas existem exceções à regra: sistemas construtivos industrializados podem ser a solução quando a necessidade é de reduzir o cronograma da obra. “Com materiais pré-fabricados e estruturas de madeira ou metálica, é possível executar a obra em um mês. Já no método convencional, leva-se de três a quatro meses”, compara André Luque, arquiteto e fundador do escritório André Luque Arquitetura.

De modo geral, essas soluções são pré-fabricadas e tornam o processo construtivo mais racional, já que os componentes são entregues prontos para a montagem, o que elimina etapas construtivas, reduz o consumo de água e energia, entre outras vantagens.

construcao-residencial-rapida 
Sistemas como o wood framing oferecem grande agilidade à obra (Brandon Bourdages/ Shutterstock.com)

SUPERESTRUTURA

Em geral, é difícil escapar do concreto armado na etapa de fundações, já que o sistema permite atender às demandas do cálculo estrutural e acomodar a construção em solos com diferentes características. “Uma vez vencida essa fase de fundação, é possível partir para o uso de estruturas metálicas ou de madeira”, conta Luque, exemplificando com o sistema estrutural de MLC (Madeira Laminada Colada) que tem adotado em seus projetos.

Para escolher entre as estruturas metálica ou de madeira, os projetistas devem avaliar aspectos como a disponibilidade de fornecimento do material na região, adequação do sistema construtivo aos vãos estruturais do projeto, a agressividade do ambiente (regiões litorâneas e proximidade do mar), entre outros.

Com materiais pré-fabricados e estruturas de madeira ou metálica, é possível executar a obra em um mês. Já no método convencional, leva-se de três a quatro meses
André Luque

Também é necessário considerar a linguagem arquitetônica do projeto. “Esteticamente, a madeira tem um aspecto mais aconchegante. Já a estrutura metálica é mais fria, para uma arquitetura mais minimalista, com menos informação”, considera Luque.

Como a crise econômica barateou o aço, a estrutura metálica apresenta custo vantajoso sobre a de madeira. Já em comparação com o sistema convencional, as estruturas metálicas e de madeira apresentam melhor custo-benefício, pois requerem menor mão de obra e geram menos resíduos.

SISTEMAS PRÉ-FABRICADOS

“Como são apenas montadas no canteiro, as construções pré-fabricadas oferecem uma grande agilidade à obra”, destaca Flávio Castro, arquiteto e fundador do FCstudio. Os sistemas steel framing e o wood framing são os principais exemplos para esse tipo de construção. “Sem vigas e pilares, eles possuem fundação leve e são rápidos de executar, permitindo combinação com estrutura metálica ou de madeira", explica Otto Felix, arquiteto e urbanista, proprietário do Studio Otto Felix.

Por proporcionarem uma construção seca, os sistemas steel framing e wood framing também garantem maior eficiência ao canteiro e racionalizam a obra. “Não tem desperdício de energia e nem de material, além de precisar de pouca mão de obra”, ressalta Felix.

No entanto, os sistemas de steel framing e wood framing só se tornam viáveis quando o terreno é plano. “Em um terreno com muitas irregularidades, seria necessário executar serviços de terraplenagem para adequá-lo. Nesse caso, vale mais a pena fazer outro tipo de sistema misto”, pondera Felix.

Sem vigas e pilares, eles [sistemas light steel framing e wood framing] possuem fundação leve e são rápidos de executar, permitindo combinação com estrutura metálica ou de madeira
Otto Felix

ALTERNATIVAS COMPLETAS

As soluções estruturais são complementadas com componentes que agilizam a execução de paredes externas e internas. É o caso, nas fachadas, das placas cimentícias, que são de fácil manuseio, proporcionam montagem rápida e resistem às intempéries.

O drywall é usado na execução de paredes e vedações internas. “Trata-se de um sistema a seco que, logo após instalado, já pode receber o acabamento sem precisar de todas aquelas etapas da alvenaria convencional”, esclarece Luque.

Maior e mais leve do que os blocos cerâmicos e de concreto, os blocos de concreto celular também são uma alternativa para agilizar o levantamento de paredes. “Ele equivale a uns dois ou três blocos, com rendimento maior”, observa Luque, apontando que esse tipo de produto requer quebras e, portanto, não é ideal para uma obra limpa.

CONTAINER

Opção para muitas tipologias construtivas, o container também pode ser aproveitado em obras residenciais. “É adequado desde que se conheça seus prós e contras”, avalia Castro, considerando que, se por um lado ele agiliza a construção, por outro não permite tantas flexibilizações de espaços. “Ele tem pé-direito baixo, limitações de projeto e nem sempre é viável economicamente”, acrescenta Felix.

“É uma solução acessível para aproveitar o terreno caso o proprietário não tenha orçamento para construir a casa, permitindo projetos interessantes que podem começar como instalação provisória e evoluir para anexo de uma construção maior”, completa Luque.

Colaboração técnica

André Luque – Trabalhou em diferentes escritórios de arquitetura desenvolvendo projetos institucionais, comerciais e residenciais. Participou, também, de diversos concursos nacionais e internacionais de arquitetura. Após vencer o concurso para o Centro Cultural de Araras (SP), em 2004, abriu um escritório com colegas de faculdade e passou a desenvolver projetos institucionais e comerciais. Em 2006 funda a André Luque Arquitetura e começa a criar projetos residenciais com traços contemporâneos e especial atenção às questões ambientais e sustentáveis. Em 2007, vence o concurso para o Teatro Municipal de Londrina. Em 2009 recebe o 3° Prêmio na Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo com o projeto Centro Cultural de Araras.
Flávio Castro – Arquiteto com mestrado na Espanha pela Universidade Politécnica da Catalunha. Colaborou com escritórios espanhóis – incluindo MAB Arquitectura, Arteks Arquitectura e Hidalgo&Hartmann – e brasileiros – como o Núcleo de Arquitetura, AR.CO., Fundação MASP e MMBB Arquitetos no Brasil. Participou de concursos em colaboração com todos esses escritórios e também individualmente. É fundador do escritório FCstudio.
Otto Felix – Arquiteto e urbanista pela Universidade Paulista (2004) com MBA em marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialização em empreendedorismo em Babson College, em Boston (EUA). Durante a faculdade, descobriu seu gosto e talento para o marketing, especializando-se em projetos comerciais, corporativos e varejo, que necessitam de estudo e posicionamento de mercado. Em 2005, inaugurou o Studio Otto Felix