Telha termoacústica aumenta eficiência energética de empreendimentos

Com alta durabilidade, soluções aumentam a eficiência energética do empreendimento e garantem 100% de estanqueidade à obra

Publicado em: 16/10/2012Atualizado em: 17/08/2017

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

telhas-termoacuticas
Índices de sailinidade e qualidade do ar influenciam na vida útil das telhas termoacústicas (foto: shutterstock/trairut noppakaew)

Antes de escolher o tipo de material usado para confecção da telha é preciso considerar a aparência, o custo, a durabilidade e a localização geográfica do empreendimento, uma vez que clima, índices de salinidade e qualidade do ar influenciam a vida útil do produto.

As telhas de aço galvalume, por exemplo, são mais indicadas para locais que demandam resistência à corrosão atmosférica superior, elevada refletividade de calor, resistência à oxidação em temperaturas elevadas aliadas a um melhor aspecto superficial.

ESCOLHA CRITERIOSA

O projetista da cobertura metálica toma como referência o projeto de arquitetura e de estrutura da obra com o objetivo de identificar possíveis problemas e, se for o caso, solicita as correções necessárias aos responsáveis das áreas envolvidas. Ele especifica as telhas a serem utilizadas, que se diferenciam conforme o tipo e a espessura do isolante empregado, e define se a chapa metálica a ser usada será de aço ou de alumínio.

O engenheiro Fulvio Zajakoff, vice-presidente de coberturas metálicas da Associação Brasileira da Construção Metálica (ABCEM) explica que existem dois grupos de soluções termoacústicas para coberturas. “O primeiro é composto por telhas pré-fabricadas com todos os elementos já integrados na solução. Já o segundo traz esses elementos separadamente – telhas, material isolante e revestimento – que devem ser montados no canteiro de obras”.

ESPECIFICAÇÃO

As coberturas são classificadas em simples, termoisolantes e termoacústicas. Na instalação das termoacústicas, cujo objetivo é reduzir a reverberação do calor e do som, torna-se necessária a utilização de uma camada de lã de isolamento. A telha inferior deve ser perfurada segundo geometria definida pelo consultor de acústica, que levará em conta os sons e suas diversas frequências produzidas no ambiente.

TELHAS E RECHEIOS

Telhas com isolamento em poliuretano e poliestireno - saem da fábrica como um painel composto, pronto e acabado para uso do cliente.
Sistemas com lãs de rocha ou de vidro - são vendidos desmontados.
Telhas zipadas - são fabricadas na própria obra com uma unidade móvel e computadorizada de perfilação para diversos comprimentos, de forma a obter perfis únicos, sem emendas ou sobreposições, minimizando perdas. O projeto também detalha as peças de arremate, como rufos, pingadeiras e cumeeiras.

A solução da cobertura metálica termoacústica é desenvolvida em função de cada projeto
Fulvio Zajakoff

Fulvio Zajakoff informa que as telhas zipadas permitem criar uma matriz com uma ampla gama de possibilidades térmicas e acústicas, para atender às exigências de desempenho específicas de cada projeto. Afirma, ainda, que neste sistema de telhas não há regra imutável para especificação. “Pelo contrário, a solução da cobertura metálica termoacústica é desenvolvida em função de cada projeto e das necessidades de desempenho do conjunto construído”, esclarece.

QUALIDADE

Embora os materiais que compõem o sistema sejam normatizados, a fabricação, transporte e instalação das telhas metálicas termoacústicas ainda não contam com normas técnicas específicas. O alumínio, quando usado como telha, obedece a NBR 7823 que trata do alumínio e suas ligas, das chapas e das propriedades mecânicas. Já as telhas de aço revestido com seção ondulada seguem a NBR 14513, e as de perfis trapezoidais atendem à NBR 14514. Os isolantes também contam com legislação específica para cada tipo de utilização.

SUSTENTABILIDADE

A implantação de um sistema de cobertura termoacústica pode atender às especificações de projetos voltados para certificação sustentável. No caso das coberturas zipadas, Fulvio Zajakoff aponta quatro critérios relacionados a essas premissas:

• Os produtos são produzidos sem desperdício no canteiro de obras;
• O alumínio e o aço são materiais recicláveis;
• Os materiais têm maior eficiência energética devido à matriz térmica;
• Os produtos têm alta durabilidade.

Este tipo de telhado pode receber equipamentos geradores de energia fotovoltaica, melhorando a eficiência energética do empreendimento e possibilitando o fornecimento do excedente de energia gerada para a rede distribuidora.

MANUTENÇÃO ANUAL

Pode-se dizer que acompanham a durabilidade da edificação
Fulvio Zajakoff

O engenheiro afirma que um dos principais benefícios das coberturas metálicas é sua vida útil. “Pode-se dizer que acompanham a durabilidade da edificação. Quando bem instaladas, a principal manutenção é a limpeza, que deve ser feita para evitar entupimentos de calhas e sujeiras, principalmente no caso das coberturas zipadas”, explica. O especialista alerta, entretanto, que a instalação deve ser feita por uma equipe treinada e qualificada, que entenda a importância dos procedimentos adequados para o sucesso do conjunto construído.

A recomendação dos fabricantes é que a cobertura e as calhas coletoras sejam inspecionadas pelo menos uma vez ao ano, visando evitar o surgimento de pontos de oxidação. Caso isso ocorra, eles deverão ser lixados até chegar ao metal base da telha. Depois, a galvanização ou a zincagem do metal deverá ser recuperada com tinta rica em zinco.

Durante as obras, as limalhas devem ser varridas para fora do telhado diariamente e é preciso evitar que resíduos químicos ou de materiais de construção, bem como ferramentas, sejam deixados nas telhas de um dia para o outro.

VANTAGENS

Além da durabilidade e de melhorar a eficiência energética do empreendimento, os sistemas de alta performance em coberturas permitem o uso de telhas metálicas zipadas contínuas sem emendas que garantem 100% de estanqueidade à obra. O engenheiro Zajakoff afirma que o sistema zipado atende às necessidades térmicas de cada projeto, uma vez que possibilita o uso de lãs de isolamento com diferentes alturas e densidades.

Para resolver o problema de absorção acústica, permite a perfuração das telhas inferiores. “Além disso, possibilita adicionar mais massa ao sistema, com a instalação de placas cimentícias, e tem um sistema de proteção acústica contra impacto, contribuindo para eventual obtenção da certificação LEED”, diz.

Colaboração técnica

fulvio-zajakoff
Fulvio Zajakoff – vice-presidente de coberturas metálicas da Associação Brasileira da Construção Metálica (ABCEM).