Tubos e conexões em PPR apresentam importantes vantagens

Resistente a altas temperaturas e pressão, o produto pode ser empregado em todo o sistema hidráulico das edificações, especialmente naquelas que exigem elevado desempenho e durabilidade

Publicado em: 14/12/2022Atualizado em: 04/01/2023

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

foto de uma pessoa segurando uma espátula e uma tabua com argamassa líquida em cima
(Foto: Shutterstock)

A resina termoplástica PPR, sigla do Polipropileno Copolímero Random – Tipo 3, é responsável pelas propriedades técnicas que destacam os tubos e conexões produzidos com o material. A principal delas é a alta resistência à temperatura e pressão.

“O PPR superou diversos testes nos mais avançados laboratórios e, também, as mais exigentes condições de uso em países europeus como Alemanha, Itália e Holanda, que utilizam a solução com sucesso há mais de 25 anos”, conta Thiago Thiesen, gerente de Produto da Amanco Wavin. O PPR apresenta característica únicas: é totalmente atóxico, livre de corrosão, proporciona menor perda de carga e tem baixa condutividade térmica.

O PPR superou diversos testes nos mais avançados laboratórios e, também, as mais exigentes condições de uso em países europeus como Alemanha, Itália e Holanda
 Thiago Thiesen

Rogério Cardinali Martins, secretário-executivo da Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas (ABPE), informa que o material pode ser utilizado em todo o sistema de distribuição de água quente e fria.

Thiesen acrescenta que seu uso vai das prumadas aos ramais de edificações residenciais e comerciais. “A linha Amanco PPR proporciona mais agilidade no processo de instalação e é recomendada em instalações que tenham alta exigência de desempenho e durabilidade, como hospitais e centros médicos”, fala.

Os profissionais detalham, a seguir, as principais vantagens dos tubos e conexões em PPR.

Sistema de união por fusão molecular

“Não há união entre tubos e conexões, mas termofusão. Isto significa que ambos os materiais se fundem molecularmente a 260 °C, passando a formar praticamente uma tubulação contínua, para a segurança total do sistema”, explica Thiesen.

O sistema por fusão molecular requer a utilização de equipamentos adequados e mão de obra especializada. “Uma vez seguidas as recomendações dos fabricantes, a estanqueidade está garantida”, observa Martins.

Potabilidade

A água transportada pela tubulação em PPR tem maior potabilidade, proporcionando menor perda de carga. “O sistema em PPR é fabricado de acordo com a norma ABNT NBR 15813 e atende ao requisito de efeito sob a água, estabelecido pelo Ministério da Saúde, garantindo assim a potabilidade da água transportada”, assegura Martins.

“O sistema em PPR é fabricado de acordo com a norma ABNT NBR 15813 e atende ao requisito de efeito sob a água, estabelecido pelo Ministério da Saúde, garantindo assim a potabilidade da água transportada”
Rogério Cardinali Martins

Sem incrustações

O material é eletricamente isolante, evitando a atração dos sais presentes na água pelas paredes da tubulação. “Essa característica técnica proporciona uma instalação sem incrustações e sem redução do diâmetro da tubulação ao longo dos anos”, diz Thiesen.

Resistente a altas temperaturas

Segundo ele, os tubos e conexões em PPR resistem a picos de temperatura, sendo compatível com os principais tipos de aquecedores prediais. “Por outro lado, como estamos num país tropical, o fator de resistência a baixas temperaturas não é considerado no projeto”, acrescenta Martins.

Resistente a impactos

Por ser um material poliolefínico dúctil, apresenta excelentes propriedades quando submetido ao impacto. Thiesen detalha: “O Amanco PPR é resistente a impactos devido a sua ductibilidade, evitando que ocorram trincas, representando mais segurança para a instalação. Embora tenha uma resistência superior aos outros materiais utilizados na instalação, não recomendamos expor o produto a tais fenômenos”.

Resistente à corrosão

De acordo com Thiesen, o PPR tem alta resistência química a substâncias ácidas ou básicas, proporcionando durabilidade e instalação livre de corrosão.

Isolamento térmico

A propriedade de baixa condutividade do PPR faz com que o produto conserve a temperatura da água transportada por mais tempo. “Isso evita a transmissão de calor para a parte externa do tubo, o que reduz a necessidade de recursos para o isolamento térmico”, reforça Thiesen. Segundo Martins, o isolamento térmico do PPR é o melhor entre os tubos aplicados para transporte de água quente, por conta do seu coeficiente térmico associado à espessura de parede da tubulação.

Baixo ruído

A espessura das paredes do produto em PPR resulta, também, em alto isolamento acústico. “Com isso, se reduzem os ruídos em casos de elevada velocidade da água ou de fenômenos como golpe de aríete”, diz Thiesen.

Inerte e reciclável

O polipropileno é quimicamente pouco reativo e geralmente reconhecido como sendo biologicamente inerte. “O produto não é considerado tóxico por nenhuma legislação, não sendo necessária a rotulagem de risco conforme regulamentação da European Union (E.U.)”, reforça Thiesen, que conclui: “O polipropileno é reciclável, assim como o PVC”.

Leia também:
Saiba como garantir a segurança do sistema de aquecimento a gás
Mudança de ponto hidráulico exige recursos de engenharia e novas tecnologias
O que é o PEX e como funciona para instalações hidráulicas?

Colaboração técnica

Thiago Thiesen  – É formado em Engenharia Mecânica e atua com desenvolvimento de produtos há mais de 16 anos. Pós-graduado em Gestão Empresarial, ocupa o cargo de gerente de Produto na Amanco Wavin, desenvolvendo mercados, produtos e competências, gerindo a equipe de produtos, desde a identificação da oportunidade até a fase de implantação, lançamento e monitoramento de mercado. A equipe de produtos também dá suporte à equipe comercial com treinamentos, materiais de PDV e auxílio na identificação das necessidades dos clientes.
Rogério Cardinali Martins – É secretário-executivo da Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas (ABPE).