Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Vai comprar duchas higiênicas? Veja algumas dicas

O produto se sofisticou e acompanhou o desenvolvimento das louças sanitárias. Hoje, as duchas podem ser instaladas diretamente na caixa acoplada ou em ponto exclusivo de água. Entenda

Publicado em: 17/02/2020Atualizado em: 19/02/2020

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

qual a melhor ducha higienica?
As duchas higiênicas estão disponíveis em versões para água fria e quente (foto: Tero Vesalainen/shutterstock)

Durante décadas, o bidê foi a única opção para higiene íntima. “Com os banheiros cada vez menores, o bidê caiu em desuso, dando espaço à ducha higiênica, que tem a mesma função, mas ocupa menos espaço”, afirma Fernanda Dayan, gerente de Marketing da Deca. Hoje, há produtos para todos os bolsos, desde os mais populares a preços abaixo dos R$ 50 até os de alto luxo, que chegam perto dos R$ 2 mil.

A Docol, por exemplo, oferece opções a partir de R$ 130, chegando a mais de R$ 1 mil, dependendo do produto. “São diferentes modelos e acabamentos para se adequar às necessidades dos consumidores”, fala o engenheiro Takeo Yuhara, coordenador de Engenharia de Produtos Docol.

Com os banheiros cada vez menores, o bidê caiu em desuso, dando espaço à ducha higiênica, que tem a mesma função, mas ocupa menos espaço
Fernanda Dayan

Dayan justifica que a variação de preços reflete a adequação das duchas higiênicas à gama de cores das torneiras e acabamentos de registro, que podem ser cromados ou receber pintura especial, que tem mais tecnologia e garante maior resistência e durabilidade da cor.  Os materiais mais usados na fabricação dos produtos pelas empresas do setor são as ligas de cobre – bronze e latão – e os plásticos de engenharia e elastômeros.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Os componentes do produto abrangem a ducha propriamente, ou seja, extremidade por onde sai a água; o gatilho, que aciona o jato na ducha; o flexível, de cerca de 1,20m de comprimento; o registro, sistema de segurança que deve ser sempre fechado após a utilização para que o flexível e a ducha não permaneçam sob pressão constante; e a derivação, para instalação conjunta com a caixa acoplada.

“Portanto, a ducha higiênica pode ser instalada no ponto de água da caixa acoplada, através da derivação que possibilita dividir este ponto, ou em um ponto de água exclusivo próximo à bacia sanitária”, explicar Dayan. Os produtos da Deca funcionam com pressão de 2 a 40 mca, enquanto os da Docol não exigem nenhum tipo de pressão específica.

O mercado oferece duchas higiênicas para água fria e outras para água quente e fria, com sistemas de acionamento de duplo comando ou monocomando. “O primeiro passo para escolher o modelo de ducha é o consumidor definir se precisa de água quente e fria ou somente fria”, recomenda Yuhara.

“O sistema de monocomando permite misturar a água quente e a água fria com um único comando, instalado direto na parede. É importante ressaltar que esse produto necessita de uma tubulação exclusiva de água fria e outra de água quente”, alerta Dayan.

O primeiro passo para escolher o modelo de ducha é o consumidor definir se precisa de água quente e fria ou somente fria
Takeo Yuhara

Yuhara lembra que os sistemas monocomando exigem o perfeito funcionamento da válvula de retenção. “É esse pequeno mecanismo que impede a água quente de passar para o lado da água fria e vice-versa, danificando os componentes internos”, diz ele, orientando o consumidor a verificar se o produto possui a base misturadora monocomando adequada, com sistema de segurança contra o fluxo cruzado, que garante a segurança e a durabilidade do produto.

A Deca não recomenda associar a ducha com aquecedores elétricos. “O flexível da ducha é de material condutor de eletricidade e, se não estiver bem aterrado, pode dar choque no usuário”, diz a gerente. É importante, segundo Yuhara, prever o sistema de aquecimento no projeto hidráulico. “Independentemente do sistema escolhido, central ou de passagem, as duchas higiênicas podem ser utilizadas”, afirma.

Leia também: Como escolher o piso ideal para banheiros?

Colaboração técnica

Takeo Yuhara - É formado em Engenharia Mecânica pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), de Joinville, e tem especialização em Engenharia de Produtos e Processos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O engenheiro tem 25 anos experiência em P&D, área em que iniciou sua carreia na Docol como especialista. Hoje atua como Coordenador da Engenharia de Produtos na Docol Metais Sanitários.
Fernanda Dayan - Gerente de Marketing da Deca.