WTorre Morumbi - o maior conjunto de torres corporativas de São Paulo

Prevista para ser inaugurada em 2014, a obra está a todo vapor e será um marco de engenharia e arquitetura para a capital paulista

Publicado em: 22/10/2013Atualizado em: 31/10/2013

Texto: Redação PE

 

O que esperar de um projeto arquitetônico com 170 mil m² e que pretende ser um marco para a cidade de São Paulo? A WTorre Morumbi, projeto do escritório Aflalo & Gasperini Arquitetos, está sendo construída na região da Marginal Pinheiros e deve ser inaugurada em 2014. A volumetria da torre é arrojada e oferece visuais inusitados tanto para os usuários da edificação como para quem a observa à distância.

A obra vai contar com lajes corporativas de 3.000 a 3.400m² de área útil. Um grande vão central com cinco passarelas interligando as duas alas da torre serão as marcas mais visíveis. A implantação desse vão irá privilegiar a visualização da torre à distância, a partir do eixo da Avenida das Nações Unidas, e também a orientação das maiores fachadas, completamente envidraçadas, voltadas a Norte e Sul, melhores do ponto de vista de incidência solar.

Está previsto sistema de automação conforme padrões de edifícios AAA dos imóveis comerciais. A automação abrangerá sistemas de ar condicionado, ventilação e exaustão de fumaça, sistemas eletrônicos de segurança e controle de acesso e elevadores inteligentes.

A principal proposta do projeto é a sustentabilidade e para que estas sejam reconhecidas pelo mercado, os empreendedores buscam a chamada Certificação LEED Silver. As propostas de sustentabilidade estão divididas em cinco principais áreas: questões relacionadas à escolha e intervenções no terreno, economia e uso racional da água, escolha e seleção de materiais empregados, qualidade interna do ar, economia e uso racional de energia, e elevadores com sistema de recuperação de energia. Destaca-se ainda a criação de bicicletários e vestiários para quem optar por esse sistema de transporte.

Complexidade de engenharia

Entre os grandes desafios do projeto está a interligação entre as duas alas da torre. Ela será executada em estrutura metálica e apoiada em aparelhos, semelhante aos utilizados em pontes rodoviárias, permitindo às duas alas sofrerem a movimentação natural dessa estrutura sem comprometer a estanqueidade e integridade.

A fachada será em vidro com estrutura de alumínio, sistema unitizado visando um aspecto corporativo e icônico, valorizando as formas arredondadas e angulosas. As fachadas serão revestidas inteiramente em vidro, em tonalidades de prata e cinza. Para que tudo isso seja realidade, em épocas de pico, cerca de 900 pessoas estarão trabalhando na obra.

Nas fundações foram usadas fôrmas metálicas leves, por questão de velocidade e melhor manuseio. As superestruturas contam com fôrmas de madeira, por conta das interferências com contraventamento e vigas da estrutura metálica.

Neste momento são utilizadas seis gruas na obra, sendo quatro ao mesmo tempo (duas lanças fixas e duas basculantes). Nas fundações foram utilizados equipamentos clamshell, perfuratriz, estaca raiz, bombas lança e estacionaria. Todos são alugados e o treinamento dos operadores foi responsabilidade dos locatários. Já os treinamentos específicos de segurança foram ministrados pela WTorre no próprio canteiro de obra.

Fonte: WTorre, GBN Construções
Foto: Divulgação
Vídeo: TP Produções