Aço chinês volta a ganhar espaço no mercado brasileiro

Texto: Redação AECweb

Entrada desse material saltou de 22 mil toneladas em abril para 119 mil toneladas em maio

05 de outubro de 2011 - As importações de aço do tipo plano oriundo da China por consumidores e distribuidores brasileiros voltaram a crescer a partir de maio, depois de uma pausa de seis meses. A entrada desse material saltou de 22 mil toneladas em abril para 119 mil toneladas em maio, atingindo 184 mil toneladas em julho, conforme levantamento do setor e registros de entrada do governo brasileiro.

A China, ao lado da Coreia do Sul, tem sido o mais agressivo exportador de aço ao Brasil. O montante de produto chinês em maio, desembarcado nos portos do país, correspondeu a 90% do total de aço plano internado no mês.

Grandes usúarios desse material são indústria automotiva, fabricantes de geladeiras, fogões e máquinas de lavar, a construção civil e produtores tubos, entre inúmeras outras aplicações industriais.

Em junho, o movimento teve leve retração, para 114 mil toneladas, mas voltou com força em julho. O volume deste último mês representou 81% das importações totais desse tipo de material no mês, dentre a linha de produtos comercializada pela distribuição.

Foi justamente em julho que a indústria no país, representada no segmento por Usiminas, CSN e ArcelorMittal, e o setor da distribuição, verificaram salto expressivo nas importações. O volume médio de 30 mil toneladas mensais no primeiro semestre passou para quase 230 mil toneladas a partir de julho.

Em 2010, o mercado brasileiro foi inundado com quase 4 milhões de toneladas de aço plano importado, favorecido pela real valorizado e por incentivos fiscais de governos estaduais. Esse volume foi o equivalente a quase a produção de um ano inteiro da CSN.

Produtos chineses e coreanos fizeram a festa em 2010 no mercado nacional. Em determinado mês, o material dos dois país respondeu por 296 mil e 73 mil toneladas, respectivamente. E continuaram com forte presença até outubro.

Neste ano, a Coreia está mais tímida: de maio a junho embarcou para o Brasil entre 16 mil e 28 mil toneladas. Porém, em março e abril teve atuação mais intensa, com 49 mil e 63 mil toneladas exportadas, respectivamente.

Os dados foram compilados pelo Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), um importante canal de venda de aço plano no país (um terço do total) e cujas afilidas importaram 32 mil toneladas em agosto. o Inda usou informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) no período.

Fonte: Valor Econômico