Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Ajudante de obra lidera contratações em 2009

Texto: Redação AECweb

Setor aquece mercado de trabalho na RMC; pesquisa aponta geração de 2.966 empregos ano passado

09 de fevereiro de 2010 - Os serventes de obras, demolidores de edificações, operadores de martelete, poceiros de edificações e vibradoristas, que pertencem à família ocupacional de ajudantes de obras civis, foram os mais contratados na RMC (Região Metropolitana de Campinas) em 2009, segundo pesquisa do Observatório do Trabalho de Campinas e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O saldo (diferença entre admissão e demissão) foi de 2.966 vagas. Nos municípios de Campinas, Indaiatuba, Monte Mor e Paulínia, o maior saldo de contratações foi de serventes de obras, com salário médio na RMC que variou de R$ 696,02 a R$ 804,36, de acordo com dados do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Há três anos na profissão, o ajudante de obras Francisco Batista disse que o mercado na região ficou aquecido em 2009 e continua em 2010. "Fiquei dez meses trabalhando em uma obra e, em seguida, fui contratado em outra", disse. O salário que recebe hoje é de R$ 760. "Mas, tenho amigos que estão parados porque mesmo para essa função há exigências no mercado, como experiência."

O mestre de obras David Francisco Cardoso contou que a construção civil continua a contratar. "Tivemos um ótimo 2009 para a construção civil e devemos também ter um 2010 com muitas aberturas de emprego no setor, que enfrenta a falta de profissionais qualificados em algumas áreas".

No canteiro de obras que Batista e Cardoso trabalham, ambos pela empresa MGR, a expectativa é que sejam abertas entre 50 e 70 vagas nos próximos dias. Eles trabalham em um empreendimento residencial, próximo ao Largo Santa Cruz, no Cambuí, em Campinas. A RMC gerou um saldo de contratações de 17.880 vagas, sendo que a maior parte delas - 16,59% - foi criada pela família ocupacional de ajudantes de obras civis.

Dentro do setor da construção civil - o segundo em contratação na RMC, com saldo de 5.709 vagas, em 2009 - há uma série de famílias ocupacionais, como trabalhadores de estruturas de alvenaria (pedreiros), pintores de obras, gesseiros e vidraceiros.

Ranking
A economista Adriana Jungbluth, técnica do Dieese, que fez o estudo, afirmou que a segunda família ocupacional em contratação foi a de alimentadores de linhas de produção, que trabalham, principalmente, em atividades voltadas à fabricação de produtos alimentares e bebidas, de artigos de borracha e plástico, de máquinas e de equipamentos e de aparelhos e materiais elétricos. O saldo foi de 2.753 vagas, representando 15,4% das 17.880 novas vagas criadas. Essa categoria foi a que mais gerou contratações nas cidades de Hortolândia, Santa Bárbara d’Oeste e Santo Antônio de Posse, com salário médio que variou de R$ 687,10 a R$ 863,21.

Na terceira colocação ficou a família ocupacional de escriturários em geral, que abrange desde assistentes de escritórios, passando por auxiliares de judiciário, de cartório, de pessoal, de estatística e de seguro, chegando a agente de microcrédito, com a abertura de 2.126 novas vagas em 2009.

O quarto lugar é ocupado pela família ocupacional de trabalhadores nos serviços de manutenção de edificações (limpador de vidros, auxiliar de manutenção predial, limpador de fachadas, faxineiro, trabalhador de manutenção de edificações - entra até auxiliar de serviços gerais neste subgrupo - e limpador de piscina.

Na quinta colocação em contratações na RMC em 2009 ficou a família ocupacional de operadores do comércio em lojas e mercados, formada por vendedores no atacado e varejo, promotores de vendas, demonstradores e repositores de mercadorias, balconistas de farmácia e frentistas.

O setor do comércio teve saldo de 5.227 novas vagas em 2009. Alguns municípios abriram mais vagas em outros conjuntos de atividades e, no geral, não apareceram entre os dez mais contratantes. É o caso de Americana, por exemplo, que abriu mais vagas para a família ocupacional de operador de telemarketing receptivo, com salário médio de R$ 558,87.

Fonte: Todo Dia - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: