Aluguel de imóvel pode ser mais vantajoso do que financiamento

Texto: Redação AECweb

Locação de um imóvel associada a investimentos em poupança ou fundos de investimentos podem facilitar a aquisição de um imóvel em prazo muito menor

05 de julho de 2011 - A baixa vocação do brasileiro para a poupança impede os interessados em adquirir um imóvel de criarem condições de aquisição mais vantajosas do que recorrer ao financiamento bancário. Uma estimativa do consultor em finanças pessoais Marcelo Maron mostra que a locação de um imóvel associada a investimentos em poupança ou fundos de investimentos podem facilitar a aquisição de um imóvel em prazo muito menor do que aquele oferecido pelos bancos.

“Ignorar as possibilidades e os juros praticados nos financiamentos imobiliários leva muitas pessoas a perderem dinheiro, arcando com financiamentos de prazo muito mais longo do que se programassem a compra de um imóvel com recursos próprios”, explica Maron.

A conta é simples. Um imóvel no valor de R$ 100.000,00 financiado em um banco por 20 anos, terá uma prestação inicial, já com seguro incluso, de aproximadamente R$ 1.400,00. Ao longo desses 20 anos, o comprador do imóvel terá pago nominalmente a soma de R$ 230.000,00 para financiar R$ 100.000,00.

Segundo Maron, se esse mesmo comprador optar por alugar um imóvel pelo valor de R$ 700,00 por mês, poupando os outros R$ 700,00 (o que integralizaria o valor da prestação inicial pago), em 106 meses, ou seja, em pouco menos de 9 anos, o poupador teria os mesmos R$ 100.000,00, podendo pagar o valor do imóvel à vista ou garantir uma ótima entrada. A valorização do imóvel neste período pode ser neutralizada com o aumento da parcela poupada ao longo dos anos.

“Quando as pessoas deixam de fazer esse tipo de conta, terminam por pagar mais de dois imóveis pelo valor de um. É preciso desenvolver o lado poupador, porque com isso as pessoas ganham mais e conseguem maior poder de barganha na hora de adquirir bens”, alerta Maron, que também é professor da UniEuro, em Brasília, e Diretor Executivo do Grupo PAR.

Fonte: Investimentos e Notícias