Aluguel residencial novo sobe 1,5% em maio na Capital

Texto: Redação AECweb

Segundo pesquisa do Secovi-SP, no acumulado dos últimos 12 meses a alta dos contratos novos atingiu 14,11%

25 de junho de 2012 - O aluguel residencial novo subiu 1,5%, em média, no mês de maio na cidade de São Paulo em comparação valor registrado no mês anterior, segundo pesquisa mensal do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). No acumulado dos últimos 12 meses (junho de 2011 a maio de 2012), a alta foi de 14,11%.

“Os números mostram a tendência de queda dos preços dos novos aluguéis em São Paulo nos primeiros meses deste ano”, analisa Walter Cardoso, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Sindicato. Em janeiro, o acumulado foi de 17,9%; em fevereiro, 17%; em março, 16,2%; e em abril, 13,8%.

Os imóveis de 2 dormitórios foram os que apresentaram maiores acréscimos, com aumento médio de 1,7%, enquanto os aluguéis das unidades de 1 quarto elevaram-se 1,5%. Os valores das unidades de 3 dormitórios subiram um pouco menos: 1%.

O tipo de garantia mais comum foi o fiador, usado em 47,5% dos contratos de locação. O depósito de até três meses de aluguel também foi bastante: quase um terço (32%) dos locadores e locatários usou esse instrumento jurídico. O seguro-fiança foi a modalidade escolhida por aproximadamente um quinto dos que alugaram imóvel no período analisado.

As pessoas e famílias que procuraram casas e sobrados levaram de 12 a 30 dias para localizar o imóvel desejado. As que procuravam apartamentos demoraram um pouco mais: o IVL-Índice de Velocidade de Locação - que mede em número de dias quanto tempo se espera até que se assine o contrato de locação - indicou período médio entre 18 e 37 dias.

Fonte: Secovi - SP