Aluguel tem alta recorde em São Paulo

Texto: Redação AECweb

Na média, valor de contratos novos subiu 12,8% em 12 meses, o maior patamar na série histórica do Secovi-SP

21 de outubro de 2010 - O mercado imobiliário aquecido levou a um aumento de 12,8%, na média, no valor do aluguel residencial na capital paulista nos últimos 12 meses até setembro.

A variação acumulada é a maior na série histórica do Secovi (Sindicato da Habitação) de São Paulo, iniciada em janeiro de 2006.

Considerando apenas setembro, o acréscimo foi de 1,7% ante agosto, com destaque para as moradias de um dormitório (2,4%). Os dados levam em conta os contratos novos de locação.

Para contratos em andamento, com aniversário em agosto e atualização pelo IGP-M, o aumento foi bem inferior (6,99%).

Para Hilton Pecorari Baptista, diretor da entidade, o movimento de alta vai durar pelo menos mais um ano e meio, mesmo com facilidades no financiamento da compra, porque há um público específico para a locação, como estudantes, profissionais que mudam de cidade e quem acaba de se separar.

O inquilino que conserva o imóvel e paga em dia, no entanto, pode tentar negociar um reajuste menor com o locador ao renovar o contrato.

Para João da Rocha Lima Jr., professor titular de "real estate", núcleo que faz parte da Poli/USP, ainda é difícil administrar o aluguel residencial, já que a legislação é desequilibrada a favor do locatário, dificultando a retirada imediata do inquilino em caso de inadimplência.

Por isso, completa, os investidores ainda se concentram na locação comercial.

Apesar de estar perdendo espaço, o tipo de garantia mais utilizado ainda é o fiador, com uma fatia de 47,5% dos contratos em setembro.

Fonte: Folha de S. Paulo - SP