Audiência discute reivindicações de trabalhadores da construção civil no AM

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Impasses motivaram a paralisação de mil funcionários em subestação

06 de janeiro de 2014 – Representantes de trabalhadores da construção civil e a Construtora Andrade Gutierrez participaram de audiência, na manhã da última sexta-feira (3), na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE). O espaço foi aberto para resolver o impasse que motivou a paralisação de mil trabalhadores nesta quinta-feira (2), segundo a representação sindical da categoria. A parada dos trabalhos aconteceu na obra de uma subestação de energia elétrica, no bairro Jardim Mauá, Zona Leste de Manaus. Ao fim da reunião, empresa e sindicato não chegaram a um consenso. Nova audiência foi marcada para a próxima quarta-feira (8). Nela serão verificados valores de benefícios, plano de saúde e demissões.

Segundo Cícero Custódio, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Estado do Amazonas (Sintracomec-AM), os trabalhadores paralisaram a obra desde às oito horas da manhã. As reivindicações incluem diferenças ilegais de salário, pagamento de adicional de insalubridade e periculosidade, além de benefícios como cesta básica, plano de saúde e Participação de Lucros e Resultados (PLR).

Na obra, o sindicato afirma que há trabalhadores que recebem até R$ 500 a menos do que deveriam. "Tem montador de andaime que deveriam receber R$ 2.900, mas está recebendo aproximadamente R$ 2.500. As diferenças variam dependendo do cargo", afirmou o sindicalista Cícero Custódio. Sobre a insalubridade, os operários alegam que trabalham inalando gás vindo de usinas localizadas próximas ao canteiro de obra.

Ainda conforme a representação sindical dos trabalhadores, o pagamento do salário que deveria ter sido realizado no dia 30, só foi feito no dia 2 de janeiro. O superintendente da SRTE, Dermilson Chagas, disse que o objetivo é conciliar a empresa e a representação dos trabalhadores.

"A intenção é conciliar as partes. Queremos discutir esses questionamentos dos trabalhadores. Ontem, fomos até o canteiro de obras para conversar com os funcionários e queremos chegar a um ponto em que o trabalhador e a empresa fiquem satisfeitos", afirmou Chagas.

O G1 entrou em contato com a Construtora Andrade Gutierrez para repercutir a audiência. A empresa informou que deve se pronunciar após o término da audiência.

Fonte: G1