Aumento do aço impactará o custo da construção, avalia o SindusCon-SP

Texto: Redação AECweb

Diretor de economia do SindusCon  SP chama a atenção para o fato do aço representar cerca de 9% do custo dos materiais de uma edificação

07 de abril de 2010 - O anunciado reajuste do preço do aço impactará a construção civil e poderá prejudicar o alcance das metas dos Programas de Aceleração do Crescimento (PAC) e Minha Casa, Minha Vida. Esta foi a avaliação feita pelo diretor de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan.

“O aço representa cerca de 9% do custo dos materiais de uma edificação. Se você tem aumento de custo e um orçamento fixo para realizar obras de habitação e infraestrutura, naturalmente fará uma quantidade menor do que o originalmente planejado. Só resta torcer para que o restante da cesta de materiais da construção não suba de preço.”

As afirmações foram feitas em 31 de março, na entrevista coletiva de imprensa de lançamento da Feicon Batimat 2010 (18ª Feira Internacional da Indústria da Construção) e da Expolux (12ª Feira Internacional da Indústria da Iluminação). Os eventos, que contam com o apoio do SindusCon-SP, acontecerão de 6 e 10 de abril de 2010, das 10h às 19h, no Pavilhão de Exposições do Anhembi.

Zaidan reafirmou que a construção deve crescer cerca de 9% em 2010 e enumerou os desafios do setor:

- Garantir o aumento da capacidade de produção da indústria de materiais e o incremento da concorrência, inclusive com produtos importados, para obter condições adequadas de suprimento de materiais;

- Suprir a demanda por mão-de-obra qualificada;

- Sustentar a expansão do crédito;

- Fortalecer programa habitacional;

- Acelerar os investimentos em infraestrutura.

Na entrevista, o presidente da Abramat, Melvyn Fox, atribuiu o anunciado aumento do aço ao incremento de preço das matérias primas. “Não vemos inflação de demanda e a capacidade instalada ainda é suficiente para atender pelos próximos 8 a 10 meses. Além disso, 70% dos fabricantes de insumos associados à Abramat disseram ter intenção de investir no aumento da capacidade produtiva”, afirmou. A Abramat espera um aumento de 15% na demanda por materiais em 2010 e de 77,7% até 2016.

Fonte: SindusCon - SP