BB incorpora a Nossa Caixa e faz ofensiva no crédito em SP

Texto: Redação AECweb

Banco paulista deixa de existir e o federal promete agressividade no Estado

30 de novembro de 2009 - O Banco do Brasil incorpora a Nossa Caixa hoje, data em que o antigo banco paulista deixa de existir, e dá início ao que deve se tornar a maior ofensiva comercial de uma instituição financeira já vista sobre o mercado de crédito paulista, o de maior crescimento no pais.

O Estado de São Paulo terá uma direção comercial regional própria, que coordenará localmente os esforços para ganhar participação de mercado, explorar sinergias e ampliar a distribuição de crédito, produtos de investimento e de seguros. Hoje, nenhum Estado ou região tem uma estrutura desse porte.

O banco promete avançar agressivamente sobre a concorrência, oferecendo taxas e tarifas mais baixas, especialmente no financiamento de veículos e no crédito imobiliário em 2010. Toda a tecnologia das agencias será revisada.

"Vamos entrar agressivamente em São Paulo. O Estado é o principal foco do BB em 2010. É onde queremos avançar no nosso crédito imobiliário", disse Nilson Moreira, diretor de empréstimos do BB.

Apesar de BB e Nossa Caixa terem juntos a maior rede bancária no Estado, com 1.324 agencias, o mercado paulista está nas mãos de Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Real. Todas as agências da Nossa Caixa serão convertidas em unidades do BB até 2011.

Segundo Moreira, apesar dos esforços do banco desde que assumiu a Nossa Caixa, em março, 40% dos clientes ainda não foram abordados pelos serviços e taxas mais competitivas do BB e continuam com o pacote de relacionamento de antes da venda, fechada em novembro por R$ 5,4 bilhões.

"Entramos em março, aumentamos o prazo do CDC [crédito direto ao consumidor], melhoramos as condições negociais e ainda temos mais de 40% de clientes que ainda não abordamos. Estão no prazo antigo, com taxa antiga. Não cheguei porque no varejo [a estrutura comercial] tem que ser massificada. São milhões de pessoas. Hoje, falta braço e esforço comercial", disse.

O BB quer desenvolver uma equipe de promotores de venda para os clientes da Nossa Caixa. "O crédito da Nossa Caixa é contratado na agência. No nosso caso, 90% dos contratos são feitos no terminal de autoatendimento. Tenho cliente que está tomando recurso no concorrente porque foi abordado lá e nem sabe que tenho aqui no BB condição melhor [de juros]."

Fonte: Folha de S. Paulo - SP