Brasil supera China e atrai mais investimentos no setor imobiliário

Texto: Redação AECweb

Em pesquisa, ele apareceu como o mercado emergente mais promissor de 2011

04 de janeiro de 2011 - O Brasil superou a China na preferência dos investidores estrangeiros no setor imobiliário, de acordo com uma pesquisa da associação internacional do setor, localizada em Washington.

Na pesquisa da Afire (em português, Associação de Investidores Estrangeiros em Mercado Imobiliário), o Brasil apareceu como o mercado emergente mais promissor de 2011, no quarto lugar do ranking geral dos países com mais chances de valorização.

Os Estados Unidos, devido à grande queda dos valores de imóveis, em função da crise econômica do país, segue no topo da lista, com mais de 65% das opiniões dos investidores, o que representa seis vezes mais do que a China.

De acordo com o diretor Executivo da Afire, James Fetgatter, na medida em que a crise econômica vai se afastando, mais e mais os investidores mostram-se entusiasmados com as projeções da economia dos EUA. O executivo, no entanto, lembrou que a diversificação não tem sido em todo país, mas em cidades como Nova York e Washington.

De acordo com a pesquisa, as duas cidades americanas apareceram como os dois alvos prediletos dos investimentos estrangeiros, seguidas por Londres, Paris e Xangai.

As imobiliárias e os investidores que responderam as questões da pesquisa, hoje, controlam mais de US$ 627 bilhões, número que supera R$ 1 trilhão em moeda nacional em ativos imobiliários em todo o mundo; a pesquisa revelou ainda que cerca de 40% deste valor está dentro dos Estados Unidos.

O presidente da associação, Ian Hawksworth, disse os investidores se mostraram muito mais dispostos a diversificar seus investimentos em 2011, o que beneficiou os mercados emergentes.

Para o professor de Negócios Imobiliários da Universidade Metodista de Piracicaba, Paulo Salomão, o período é de colher bons frutos no mercado imobiliário brasileiro. "A euforia da construção imobiliária no Brasil é algo latente, temos aqui um uma ebulição digna de um País em franco crescimento e investidores internacionais buscam exatamente isso", diz.

De acordo com o acadêmico, o resultado do mercado em 2010 deve ser o melhor dos últimos 24 anos, por isso a boa colocação na lista americana. "O Produto Interno Bruto (PIB) do setor fechará o ano com crescimento chegando a 11%, o melhor resultado dos últimos 24 anos", disse, e concluiu: "Estamos prevendo crescimento na ordem de 6% do PIB da construção civil em 2011, cerca de 1% acima do crescimento previsto para a economia do País."

Fonte: DCI – SP