Caixa Econômica Federal começa 2011 com fila de 93 empreendimentos

Texto: Redação AECweb

75% deles estão dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida e abrangem Ribeirão e cidades da região.

30 de dezembro de 2010 - O ano de 2011 continuará aquecido na gerência regional de Construção Civil da Caixa Econômica Federal. Segundo Alfredo Eduardo dos Santos, responsável pelo setor, já existem 93 propostas de financiamento de novos empreendimentos.

As propostas somam 17 mil unidades e, delas, 75% ou 12,7 mil, estão enquadradas dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida. Esse programa prevê financiamentos com subsídios para quem ganha por mês de três a dez salários mínimos.

Conforme Santos, os demais empreendimentos em fase de contratação devem ser enquadrados dentro do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), que financia imóveis de até R$ 500 mil.

Balanço

Na opinião do executivo, 2010 surpreendeu. "Foi o melhor ano para a construção civil", afirma.

Desde o início de abril de 2009, quando entrou em vigor o Minha Casa, a regional superou em quase 80% a meta inicial de 8,9 mil unidades implantadas. "Ainda falta a formalização de alguns contratos, mas deveremos chegar a 16 mil unidades", comenta.

Os investimentos, que abrangem Ribeirão e as outras 56 cidades da área da regional da Caixa, chegaram a R$ 645 milhões desde abril do ano passado.

Contratos de R$ 54,5 mi para 1.112 moradias

Nesta quarta-feira (29), a regional da Caixa Federal formalizou dois contratos de financiamento do Programa Minha Casa, Minha Vida no valor de R$ 54,5 milhões.

Serão 760 moradias em Ribeirão Preto e em Sertãozinho. O empreendimento Parque Rarus, no Parque Ribeirão, terá 408 apartamentos, sendo 378 dentro do Minha Casa e 30 com recursos do Sistema de Poupança e Empréstimo.

A construção caberá à MRV. O investimento total será de R$ 38,4 milhões, o prazo para construção de 18 meses e cada imóvel custará entre R$ 80 mil a R$ 111,5 mil.

Em Sertãozinho, o Condomínio Residencial Aragão I abrigará 352 famílias, com renda de 0 a 3 salários mínimos. Orçado em R$ 16,1 milhões, o empreendimento será da ISO Construções. O prazo para a construção é de 12 meses e o valor de cada unidade será de R$ 46 mil.

Fonte: A Cidade - SP