Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Calote em habitação bate recorde nos EUA

Texto: Redação AECweb

Perda de emprego dos mutuários puxa a inadimplência, que deverá continuar até os primeiros meses de 2010

21 de agosto de 2009 - A parcela dos americanos que atrasaram os pagamentos das prestações da casa própria foi recorde no segundo trimestre, uma vez que os fechamentos de postos de trabalho e a queda dos preços das moradias frustraram os esforços do governo de estabilizar o mercado habitacional.

O percentual dos empréstimos com uma ou mais parcelas em atraso subiu para o recorde de 9,24% do total de contratos de crédito imobiliário, sazonalmente corrigidos, no segundo trimestre. O percentual deve ser comparado ao de 9,12% correspondente ao primeiro trimestre, disse relatório da Associação dos Executivos de Bancos de Crédito Imobiliário.

O estoque de unidades residenciais em processo de execução de hipoteca, ou retomada do imóvel pela instituição financiadora, aumentou para 4,3%, a maior de três décadas de monitoramento desses dados, e os empréstimos com parcelas vencidas há pelo menos 90 dias, prazo em que os processos de execução de hipoteca normalmente têm início, subiram para 7,97%, o maior já registrado historicamente.

"Tivemos uma queda significativa do problema com os empréstimos de alto risco (subprime), e passamos agora a ter problemas com empréstimos classificados como de primeira linha", disse Jay Brinkmann, economista-chefe da associação, em entrevista. "A perda de emprego está puxando essa inadimplência, e prevemos que ela continuará até pelo menos os primeiros meses do ano que vem."

Os mutuários atrasam o pagamento das prestações de seus contratos de crédito quando perdem o emprego, e a queda dos preços dos imóveis os impedem de vendê-los para quitar o financiamento, disse Brinkmann.

As empresas norte-americanas fecharam 5,7 milhões de postos de trabalho desde janeiro de 2008, o maior número de casos desde a Grande Depressão, iniciada em 1929. A mediana dos preços das casas caiu 16% no país no segundo trimestre, no comparativo com o mesmo período de 2008, a maior retração já registrada, segundo a Associação Nacional das Corretoras de Imóveis.

O percentual de contratos de empréstimo que desencadearam o início de processos de execução de hipoteca foi de 1,36%, menos que o 1,37% registrado no primeiro trimestre.

Fonte: Valor Econômico - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: