CBIC se reúne com Caixa e BB

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Atuação da Caixa na segunda fase do programa Minha Casa, Minha Vida mereceu destaque

12 de novembro de 2013 - A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) organizou em 7 de novembro reuniões com representantes do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal em Brasília. Representado por Rudimar Angelo Locatelli, da diretoria nacional de crédito imobiliário do BB, o banco apresentou um balanço, indicando um crescimento de 83% em sua carteira no intervalo de 12 meses encerrado em agosto de 2013.

Segundo ele, a atuação do banco na segunda fase do programa Minha Casa, Minha Vida, com aproximadamente 206 mil unidades habitacionais contratadas, também mereceu destaque. “Deste total, 108 mil (52%) referem-se à faixa 1 e 98 mil aproximadamente tratam-se das faixas 2 e 3”, afirmou. O desafio do banco, acrescentou Locatelli, é fechar o ano com 150 mil unidades contratadas na faixa 1.

Questionado sobre o desempenho do BB na parceria com o Casa Paulista, Locatelli informou que o banco vem cumprindo a sua meta no MCMV; entretanto, no que se refere aos programas destinados à pessoa física, o ritmo não é o mesmo.

Da reunião com os representantes da Caixa participaram José Urbano Duarte, vice-presidente de Habitação, Teotônio Costa Rezende, diretor executivo da Diretoria de Habitação, Luiz Alberto Nozaki Sugahara, consultor da presidência, André Marinho de Souza Filho, consultor técnico e Roberto Carlos Ceratto, superintendente nacional do MCMV.

Pelas projeções da Caixa, a carteira de crédito imobiliário do banco deve atingir R$ 130 bilhões até o final do ano, um recorde. Com relação ao MCMV, a instituição considera ter praticamente cumprido a meta inicial, com cerca de 1,972 milhão unidades habitacionais contratadas em meados de outubro. Deste total, 45% das contratações estão nas faixas 1 e 2.

Segundo Urbano, considerando dados do Plano Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, o crescimento será sustentado por uma demanda de 27 milhões de habitações nos próximos dez anos, principalmente nas faixas de menor renda (62% até R$ 1.200,00). Outro tema abordado na reunião foi o das comercializações efetuadas pela Tabela Price. Urbano confirmou que o prazo para concluir as contratações das propostas comercializadas terminou em 31 de outubro. “Novas vendas, somente em novas condições”, afirmou. Sobre o Programa de Olho na Qualidade - MCMV (canal 0800), implementado pelo banco no início do ano, os dados atualizados até 1º de novembro apontam um total de 118 mil ligações/acionamentos recebidos aproximadamente. Deste, apenas cerca de 8% referem-se a danos físicos de obras.

Os encontros contaram com a presença de representantes de Sinduscons e Ademis de vários estados. O SindusCon-SP foi representado pelo coordenador de Produção e Mercado, Elcio Sigolo.

Fonte: Sinduscon - SP