Ceará tem greve de 8 mil trabalhadores da construção

Texto: Redação AECweb

Obras de mobilidade urbana e saneamento em Fortaleza e interior do Ceará estão paralisadas

04 de junho de 2012 - Os cerca de oito mil trabalhadores da construção pesada entraram em greve na manhã desta segunda-feira, paralisando grande parte das obras de mobilidade urbana e saneamento em Fortaleza e interior do Ceará, segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas indústrias da construção das Estradas, pavimentação e obras de Terraplenagem em geral no estado do Ceará (Sintepav-CE).

De acordo com o sindicato, os motivos para a paralisação são o não cumprimento da data base, em abril, e o impasse nas negociações. Segundo o presidente do SINTEPAV-CE, Raimundo Gomes, "os trabalhadores cruzaram os braços e foram para a casa, paralisando boa parte das obras", completa.

Na região metropolitana de Fortaleza, 600 trabalhadores do Metrofor (metrô) que já estão em greve há mais de uma semana, recebem o apoio de outros 400 trabalhadores do Centro de Tratamento de Esgoto da PB Construções. Nas obras de Saneamento que estão no entorno do estádio Castelão serão 350 trabalhadores, nas obras da BR-222 administrada pelas empresas Delta, Canter e Getel, 1.600 homens irão paralisar os trabalhos.

Na região do Cariri por volta de 1.600 trabalhadores paralisarão as obras da transposição do Rio São Francisco em Mauriti. Na administração da empresa Coral, que contam com 300 trabalhadores serão paralisadas três rodovias. Mais 100 homens paralisarão três barragens e por último na obra da BR-116, na cidade de Icó, pela empresa da Delta cerca de 80 trabalhadores que fazem a restauração da BR também entrarão em greve.

A categoria reivindica 25% de reajuste, R$ 300 em cesta básica, plano de saúde para o trabalhador e seus dependentes, participação nos lucros de 440 horas; organização no local de trabalho de um para cada 200 trabalhadores; folga de campo a cada 60 dias aos trabalhadores que moram fora do estado - seguindo uma tabela específica; respeito a Data Base, entre outros benefícios.

Assembleia

Uma assembleia com os trabalhadores está marcada para a próxima quarta-feira, 6, segundo o presidente do sindicato. "Vamos nos reunir para discutir a proposta do sindicato patronal, que deve ser entregue até a quarta. Se caso isso não ocorrer, continuamos em greve e uma nova assembleia deve ser marcada para a próxima segunda-feira", explica.

Fonte: O Estado de São Paulo