Concentração de áreas verdes cria 'apartheid vegetal'

Texto: Redação AECweb

Sete dos dez distritos com maior cobertura vegetal por habitante ficam no lado oeste da cidade de São Paulo

25 de julho de 2011 - Quando o critério é a cobertura verde dentro da malha urbana, a capital paulista poderia ser dividida em duas: a verde oeste e a cinza leste.

"É como se houvesse um apartheid vegetal", sentencia o pesquisador da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP Paulo Pellegrino. "As marginais formam um corredor verde do Morumbi até Pacaembu e Perdizes."

Dos 10 distritos com maior cobertura vegetal por habitante em que houve lançamentos imobiliários nos últimos quatro anos, 7 ficam do lado esquerdo da capital.

Do lado direito dessa linha imaginária que cortaria a cidade longitudinalmente a partir do centro, estão 15 dos 20 distritos com menor arborização da cidade.

Como área verde, estão computadas tanto reservas naturais e parques como árvores e gramados nos passeios públicos. Os dados são da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente cruzados com o censo demográfico de 2010.

Por trás de regiões com praças e árvores está o planejamento urbano. Áreas como Alto de Pinheiros e Pacaembu foram loteadas pela empresa Companhia City com o conceito de "bairros-jardins".

Já na zona leste, a ocupação desordenada é a maior responsável pela falta de verde, diz a pesquisadora Sandra Gomes, do Centro de Estudos da Metrópole.

Ar fresco

Com árvores nas ruas, além de espaço de convivência, ganha-se também com temperaturas mais baixas.

"Se você pegar um mapa termal da cidade, vai ver que os pontos mais frescos coincidem com parques como o Ibirapuera", explica Neli Aparecida de Mello-Théry, pesquisadora de Gestão Ambiental da USP.

A vegetação também permite a infiltração da água no solo, reduzindo a chance de enchentes, pontua Juliana da Costa, pesquisadora da Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Onde não há praças ou canteiros, a desapropriação de terrenos para criar áreas verdes é cara e demorada, avalia Sandra Gomes.

Fonte: Folha de S. Paulo - SP