Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Consórcio de imóveis deve crescer 15% com nova regra

Texto: Redação AECweb

Crescimento esperado representa injeção de R$ 5,76 bilhões no mercado imobiliário em 2010

14 de janeiro de 2010 - O consórcio imobiliário agora está em pé de igualdade com o financiamento habitacional, pelo menos no que diz respeito à utilização de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Em 15 de dezembro, o governo autorizou a utilização do saldo do Fundo para quitar consórcios ou adiantar o pagamento de parcelas, da mesma forma que já ocorria com o financiamento imobiliário. A mudança ainda depende da regulamentação pela Caixa, que tem até meados de março para se adaptar às novas regras.

Existem no País 533,7 mil participantes de consórcios imobiliários e aqueles que estiverem em condições de usar o FGTS vão se beneficiar da medida. Antes, eles só poderiam usar o saldo do FGTS quando contemplados, para dar um lance ou completar o valor do imóvel que seria adquirido com a carta de crédito. Agora vão poder usar para adiantar até 12 parcelas ou quitar o saldo do consórcio.

Para poder usar os recursos do fundo, no entanto, os consorciados precisam seguir as regras do FGTS. O saldo só pode ser usado por trabalhadores com no mínimo três anos de contribuição. O mutuário não pode ter outro imóvel adquirido com recursos do Fundo no mesmo município, respeitar o limite de R$ 500 mil para a compra de imóvel e não ter mais de três parcelas em atraso.

Com essas mudanças, a procura por consórcios deve crescer 15% neste ano em relação ao ano passado, de acordo com projeção da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC). Isso significa uma injeção de R$ 5,76 bilhões no mercado imobiliário do País, equivalente à contemplação de 72 mil cartas de crédito. "Revisamos a nossa previsão de crescimento de 10% para 15% em 2010, após essas novas medidas", afirma o presidente da ABAC em São Paulo, Luiz Fernando Savian.

O gerente regional de vendas da administradora de consórcios imobiliários Embracon, Rogério Dutra, explica que caso os adiantamentos e quitações de consórcios aumentem, o número de contemplados também deve subir. "Todos se beneficiam quando há mais arrecadação no grupo de consórcio", diz. A Embracon projeta crescimento de 35% para este ano, igual ao registrado no ano passado, quando foram vendidos R$ 1,7 bilhão em cartas de crédito.

Outra administradora que prevê crescimento é a Rodobens. "Projetamos crescer de 10% a 15% em relação ao ano passado, com vendas de crédito de R$ 1 bilhão", diz o diretor executivo da Rodobens, Sebastião Cirelli.

O empresário Ricardo de Paula Eduardo optou por dois consórcios de R$ 100 mil para adquirir a sua casa há quatro anos. "Fiz a conta e percebi que o consórcio seria mais vantajoso que o financiamento", diz. Atualmente, Eduardo paga quatro consórcios para comprar um galpão para sua empresa de eventos. "Tenho quatro cartas de crédito de R$ 100 mil", diz.

Fonte: Jornal da Tarde - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: