Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Construção civil perde espaço para importações

Texto: Redação AECweb

Chineses começam a disputar grandes obras de infraestrutura, em todo o planeta. Compra externa de aço cresceu 70% e a de cimento mais de 100% no ano passado, por exemplo, levando segmento a déficit.

30 de março de 2011 - Um dos maiores canteiros de obra do mundo, ao lado da China, o Brasil hoje vive a dicotomia de incentivar suas empresas de construção civil, ao mesmo tempo em que administra o aumento contínuo da concorrência estrangeira que chega para atuar no segmento.

A demanda crescente por materiais de construção, aliada à valorização cambial, começa a mostrar o seu lado negativo: alteração da balança comercial do segmento, que passou a ser deficitária; e aumento contínuo das compras de produtos importados, especialmente chineses.

Segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV), a importação de aço cresceu 70%, a de cimento mais de 100% no ano passado. Entre as mercadorias mais compradas estão pastilhas de vidro, portas, fechaduras e metais e louças sanitárias. Outros produtos muito procurados no exterior são porcelanato e cerâmica.

Em razão disso, os empresários começam a se mobilizar por medidas para reduzir as importações, principalmente da China, ainda que, com o mercado em forte expansão no Brasil, as companhias tenham boas expectativas de desempenho para este e os próximos anos.

O estudo da FGV estima em R$ 5,1 bilhões as importações de insumos nesse mercado, superando as exportações, de R$ 2,8 bilhões, em 2010. O Brasil está sendo tomado por produtos chineses, principalmente, na parte elétrica, que, antes da crise, eram enviados para os Estados Unidos.

Outros que também acenderam a luz de alerta sobre uma possível desindustrialização foram os fabricantes de vidros. Especialistas avaliam que uma das principais causas dessa situação é a pouca competitividade dos preços brasileiros, devido à carga tributária e ao câmbio.

E a participação chinesa não se restringe aos produtos. As grandes corporações chinesas também começam a se mostrar no exterior. Segundo relatório do Boston Consulting Group (BCG), as estatais de construção civil, há poucos anos desconhecidas, disputam licitações em todo o planeta, "com uma presença significativa no Norte da África, nos Emirados Árabes, na Índia e nos Estados Unidos". Um caso destacado no estudo é o da Companhia Estatal de Construção e de Engenharia, que faturou, no ano passado, € 37,7 bilhões - crescimento de 27% em um ano.

Mercado interno

Como contraponto ao crescimento da concorrência externa, o desempenho do mercado interno mostra perspectivas positivas. Cálculo da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil aponta para estimativa de expansão de 6% do setor para este ano, acima, portanto, da previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, que é de 4,5%.

Contudo, em razão do bom momento da construção civil, com a demanda aquecida pela nova classe C e os estímulos federais, o presidente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), Cláudio Conz, faz projeções ainda mais otimistas para este ano, de alta de 11% para as vendas. "Terminamos 2010 com mais de 900 mil unidades do Minha Casa Minha Vida contratadas e outras coisas ainda estão por vir", diz Conz.

A expectativa confirma a trajetória de expansão do segmento registrada no ano passado. A alta do PIB da construção civil de 11,6% em 2010 "confirmou o crescimento chinês do setor no ano passado", segundo presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe.

Para ele, esse crescimento "se constituiu em um ponto fora da curva", em função do grande aumento das obras em 2010. Até dezembro, o Sinduscon acredita que esse percential irá desacelerar para algo em torno de 6%.

Além do ritmo menor, outro grande desafio da construção, de acordo com Conz, é o desenvolvimento de mão de obra. "Já está faltando gente no mercado, como se não bastasse o fato de a construção civil ser o segmento campeão de acidentes", diz.

Fonte: Brasil Econômico - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: