Construção é a aposta para recuperação da economia em 2010

Texto: Redação AECweb

Setor deve elevar sua velocidade devido ao incremento da entrega de residências

10 de agosto de 2009 - A recuperação da economia em 2010, que pode avançar para perto de 4,5% segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, deve ter como um dos seus principais pilares o aumento do ritmo da construção civil no próximo ano.

O setor deve elevar sua velocidade devido ao incremento da entrega de residências, estimulado pelo programa Minha Casa, Minha Vida, e pelo aumento de obras públicas de infraestrutura no ano eleitoral.

Para o economista-chefe do HSBC, André Lóes, a construção civil deve ser responsável por 0,45 ponto percentual do incremento de 4,6% do PIB no próximo ano. Na avaliação do economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges, a contribuição direta deste segmento produtivo para a alta do produto interno bruto será de 0,41 ponto percentual, a maior desde 1997.

Segundo Lóes, se forem levados em consideração benefícios indiretos gerados pelo setor, como o efeito renda para operários, tal participação subiria para 0,85 ponto percentual, uma parcela expressiva do crescimento de 4,6% que, segundo ele, o Brasil deve alcançar no ano que vem.

Demanda
Segundo Borges, a construção civil deve ser o elemento mais importante para que a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aumente 16,6% em 2010, pois será responsável por 45% de tal expansão, ou 7,5 pontos percentuais. Mas ele ressalta que tal incremento deve ocorrer depois de uma queda de 8,9% dos investimentos em 2009, provocada pela forte retração da demanda.

Para o sócio da Consultoria Tendências Juan Jensen, o segmento deve crescer 6,5% no próximo ano basicamente porque deve registrar uma queda intensa em 2009, de 5,1%. De acordo com Bráulio Borges, a construção civil é o maior empregador do País, pois, dos 95 milhões de pessoas ocupadas, cerca de 12 milhões atuam direta ou indiretamente em atividades relacionadas ao setor.

Fonte: Jornal do Commercio