Construção lidera ganhos no primeiro semestre

Texto: Redação AECweb

Redução de IPI contribuiu para valorização das ações do setor na Bovespa

01 de julho de 2009 - O setor de construção civil foi o que mais se valorizou nos seis primeiros meses de 2009. De janeiro a junho, as 27 companhias de construção listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) apresentaram incremento de 87,31%.

A ação mais valorizada no semestre, da Rossi Residencial, cresceu 116,93%. Além desta, Cyrela (61,41%), Gafisa (56,24%) e Duratex (50,87%) também se destacaram.

De acordo com o professor da Trader Brasil Escola de Investidores, Celso Vianna Cardoso, o setor foi influenciado pelo corte do Imposto sobre Produtos Industrializados para a construção civil.

"As ações da Rossi, Cyrela e Gafisa se valorizaram no primeiro semestre, beneficiadas pela redução de IPI para a construção civil e pelo programa “Minha Casa minha Vida”, da Caixa Econômica Federal", disse Cardoso.

Para o especialista, a redução de IPI também explica a valorização de siderúrgicas, como a Usiminas e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). "Os papéis da Usiminas e da CSN também se valorizaram motivados pelo corte de IPI, pois são produtoras de aço para a fabricação de veículos automotivos e eletrodomésticos de linha branca."

Na avaliação de Cardoso , outro setor beneficiado por medidas do governo foi o de varejo. De janeiro a junho, a B2W cresceu 55,92% e as Lojas Americanas se valorizaram em 46,41%. "As Lojas Americanas e a B2W são empresas de varejo, setor que cresce com o crédito.

No fim do ano passado, com o aperto motivado pela crise internacional, houve restrição ao crédito, mas o governo já retomou as rédeas e a oferta de crédito voltou a crescer, favorecendo o varejo."

Segunda ação mais valorizada no semestre, a BM&FBovespa cresceu 95,68%, impulsionada pelos negócios na bolsa. "A BM&FBovespa é uma empresa de investimentos e acaba refletindo os negócios na bolsa. Com a tendência de aumento de negócios ocorrem mais operações, que levam a mais corretagem e, consequentemente, a mais lucro", comentou o professor.

Entre os papéis menos valorizados nos seis primeiros meses do ano, há forte presença de companhias de telefonia, como Telemar, Telesp e Brasil Telecom.

"As empresas de telefonia estão sendo afetadas pela popularização de meios digitais, como o Skype, o Voip e o Messenger, que são muito mais baratos. A telefonia via internet está substituindo as empresas tradicionais de telefonia. O setor está sendo bombardeado e a tendência é piorar."

No mês de junho, as ações que mais cresceram na Bovespa foram de companhias aéreas. A Gol encerrou o mês com alta de 27,37% e a TAM cresceu 20,24%. "A Gol e a TAM podem ter sido beneficiadas pela liberação do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para voos mais longos. Isto melhorou a taxa de ocupação e os resultados", disse Celso Vianna Cardoso.

Em junho, muitas empresas do setor elétrico também se destacaram, como Eletropaulo (13,35%), Cesp (12,91%), Light (9,38%) e Eletrobras (6,74%). "Quando o mercado apresenta volatilidade excessiva, os investidores tendem a buscar setores defensivos, como o elétrico."

Entre as mais baixas de junho, a Bradespar foi influenciada pelas ações da Vale. Os papéis do braço de participações do Bradesco caíram 11,33% no mês. "A Bradespar acabou se desvalorizando por causa da Vale. Cerca de 80% do fundo da Bradespar é ligado à Vale, que se desvalorizou muito", afirmou Cardoso.

Fonte: Jornal do Commercio