Construção mantém estimativa de crescimento

Texto: Redação AECweb

IBGE leva em conta basicamente apenas o comportamento da produção nacional dos materiais de construção

09 de março de 2012 - O SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) mantém a estimativa de que a construção civil brasileira tenha crescido 4,8% em 2011, mesmo que o IBGE tenha divulgado hoje que esse crescimento teria sido de 3,6%.

Segundo o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, na apuração trimestral, o IBGE leva em conta basicamente apenas o comportamento da produção nacional dos materiais de construção.

“Em 2011, o crescimento da produção de materiais foi de apenas cerca de 4%, mas as vendas do varejo cresceram cerca de 9,1%, contabilizando-se aí um grande volume de insumos importados. Portanto, a atividade do setor foi maior do que os 3,6% divulgados pelo IBGE. Seguramente, quando o PIB do ano passado for recalculado pelo IBGE com todas as demais variáveis, veremos que a construção cresceu cerca de 4,8%”, diz Zaidan.

Exemplificando, o vice-presidente de Economia lembra que, há dois anos, o IBGE inicialmente divulgou que a construção havia crescido cerca de 1% em 2009. Recentemente, ao recalcular o PIB do setor, divulgou que o crescimento havia sido de 8,3%.

Zaidan também destacou outro dado que mostra o crescimento da construção em 2011: a elevação do nível de emprego no setor em cerca de 9%. Ele afirmou que o resultado divulgado hoje também não muda a previsão do SindusCon-SP de que, em 2012, a construção deverá crescer cerca de 5%.

Fonte: Sinduscon – SP