Construção tem queda sazonal no emprego em novembro

Texto: Redação AECweb

Setor encerrou o penúltimo mês do ano passado com um estoque de 3 milhões 124 mil trabalhadores empregados

24 de janeiro de 2012 - Como costuma ocorrer sazonalmente a cada final de ano, o nível de emprego na construção civil brasileira fechou o mês de novembro de 2011 com mais demissões que contratações. Naquele mês, houve diminuição do número de empregados com carteira assinada em 19,6 mil, uma queda de 0,62% sobre o resultado de outubro. Com isso, o setor encerrou o penúltimo mês do ano passado com um estoque de 3 milhões 124 mil trabalhadores empregados com carteira assinada. É o que mostra a pesquisa mensal de emprego do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo), realizada em parceria com a FGV.

Após sucessivos recordes, essa redução ocorre principalmente em função do término de muitas obras, enquanto novas obras começam no ano seguinte.

"A queda foi maior do que a registrada em novembro de 2010 (-0,07%), mas abaixo daquela de novembro do ano de 2008, quando começou a crise (-0,90%)", comenta o presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe. "Ela mostra que a construção voltou ao seu ritmo normal, distante do super-aquecimento registrado em 2009, quando o emprego em novembro ainda aumentou 0,94% no setor."

No acumulado de 2011 até novembro, o nível de emprego na construção brasileira continuava positivo (+10,43%, equivalente a mais 295 mil novos postos de trabalho). No acumulado de 12 meses encerrado em novembro, o aumento era de 7,22% (+210 mil novas vagas).

Brasil – Ao final de novembro, a construção brasileira empregava 3.124.476 trabalhadores com carteira. Naquele mês, o emprego na construção caiu em relação a outubro em todas as regiões com exceção do Nordeste, onde cresceu 0,25%, com mais 1.638 postos de trabalho. Em compensação, o saldo de demissões no Sudeste atingiu 12.410 vagas (-0,77%).

Em termos proporcionais, a região que mais dispensou trabalhadores foi a Centro-Oeste, com queda de 5.990 empregos (-2,41%).

São Paulo – No Estado de São Paulo, o nível de emprego da construção também caiu em novembro, baixando 0,68% naquele mês. Fecharam-se no período 5.516 postos de trabalho, reduzindo-se o contingente empregado a 804,3 mil trabalhadores com carteira assinada.

No acumulado de 2011, o nível de emprego na construção paulista continuava positivo (+7,55%, equivalente a mais 56,4 mil novos empregados). No acumulado de 12 meses encerrado em novembro, o aumento era de 5,81% (+44,2 mil trabalhadores).

Na capital paulista, a queda foi de 0,64% (menos 2,4 mil postos de trabalho). No acumulado do ano, variação positiva de 8,22% (+28,3 mil trabalhadores); no acumulado de 12 meses, aumento de 6,37% (+22,3 mil).

Dentre as nove regiões do Interior paulista, apenas três tiveram aumento do emprego, com destaque para Ribeirão Preto, que abriu 423 vagas no mês (+0,78%). Por outro lado, em Campinas foram dispensados 1.233 trabalhadores, em baixa de 1,46%.

Fonte: Sinduscon - SP