Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Construções sustentáveis têm mais benefícios

Texto: Redação AECweb

Com menor impacto ambiental, construções permitem melhor uso de recursos naturais e garantem vantagens a longo prazo

08 de fevereiro de 2010 - Aproveitamento de luz natural, reuso de água de chuva e captação de energia solar para aquecimento. Esses são apenas alguns exemplos de técnicas utilizadas pela construção sustentável, que está longe de se preocupar apenas com o impacto ambiental. O ecossistema da região, as condições sociais dos executores da obra e a qualidade de vida dos moradores também estão envolvidos nesse conceito interdisciplinar.

Para o doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento, Roberto Sabatella Adam, a construção sustentável leva em conta os princípios de sustentabilidade socioambiental e interdependência nas fases de planejamento, construção, manutenção e destruição. "Estas premissas incluem uma visão global e isso tem profundas implicações para o seu usuário em termos de maior consciência, solidariedade, educação, humanização e qualidade de vida", completa.

Embora nenhuma obra deixe de ter algum grau de impacto ambiental, é possível reduzi-lo em até 50%. "Materiais naturais são preferíveis, desde que extraídos por manejo sustentável, pois são absorvidos pela natureza após seu tempo de vida útil", afirma Eloy Casagrande, doutor em Engenharia de Recursos Minerais e Meio Ambiente.

Impacto
Casagrande, que trabalha na DesignEre - Design e Arquitetura Sustentável, aponta tintas com base mineral e utilização de produtos confeccionados a partir de resíduos reciclados como meios de redução do impacto ambiental. "É preciso observar o que chamamos de biorregionalismo. Se você tiver de trazer material para sua obra num raio que ultrapasse os 150 km, ela já deixa de ser sustentável, pois o transporte é um grande emissor de poluentes", ressalta.

A construção civil consome entre 30% e 50% dos recursos naturais do planeta; em geral, não renováveis. "A construção convencional não se preocupa com estes aspectos, somente busca construir o mais rápido possível e com o menor custo", explica Casagrande. Para ele, essa é uma interpretação equivocada, pois, ao mesmo tempo em que constrói, está destruindo.

A DesignEre já concluiu três obras desse tipo. Uma delas alia a construção sustentável à acessibilidade: a casa EcoSocial, do Pequeno Cotolengo. A casa serve de moradia para portadores de deficiência física e mental e é a única no Brasil que contempla os dois aspectos.

Fonte: Mogi News - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: