Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Construtoras ajudam a eleger 54% dos novos congressistas

Texto: Redação AECweb

Levantamento mostra que 306 congressistas que assumirão mandatos em fevereiro (264 deputados e 42 senadores) receberam contribuições de construtoras

08 de novembro de 2010 - As empreiteiras mais que triplicaram o volume de doações para os políticos que se elegeram para o Congresso neste ano em relação a 2006. Dos congressistas eleitos, 54% receberam recursos das construtoras em 2010, um total de R$ 99,3 milhões.

Levantamento feito pela Folha nas prestações de contas disponíveis no Tribunal Superior Eleitoral mostra que 306 congressistas que assumirão mandatos em fevereiro (264 deputados e 42 senadores) receberam contribuições de construtoras.

Há quatro anos, as empreiteiras declararam ter doado R$ 32,6 milhões (valores corrigidos pela inflação).

A conta tem apenas uma ressalva: neste ano foram disputadas 27 vagas a mais no Senado do que em 2006, quando foi eleito apenas um senador para cada Estado.

As empreiteiras superaram com folga outros tradicionais doadores, como bancos, mineradoras e empresas ligadas ao agronegócio.

Orçamento

No Congresso, parlamentares distribuem suas emendas para destinar recursos a obras públicas e participam de comissões temáticas vinculadas diretamente ao ramo de atividade das construtoras, além da elaboração do Orçamento da União.

Também há expectativa de que obras do chamado PAC 2 (a segunda versão do Programa de Aceleração do Crescimento) ganhem força nos próximos anos, na esteira da preparação para a Copa do Mundo de 2014 e para a Olimpíada de 2016.

Os eleitos pelo PT, partido da futura presidente Dilma Rousseff, foram os que mais arrecadaram do setor: R$ 25 milhões. O partido conquistou cem cadeiras do Congresso. Os eleitos pelo PSDB, 58 no total, receberam R$ 19 milhões, e os pelo PMDB, 55, R$ 12 milhões.

Os campeões em valores absolutos são os futuros senadores Aécio Neves (PSDB) e Itamar Franco (PPS), eleitos em chapa conjunta. Receberam R$ 9 milhões de empreiteiras. O tucano, apontado como futuro líder da oposição, ganhou dinheiro de 41 empresas do ramo.

Cotada para assumir um ministério, a senadora eleita Marta Suplicy (PT) recebeu R$ 3 milhões de empreiteiras e R$ 600 mil do ramo de infraestrutura (mineração, metalurgia e siderurgia).

A nova senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), mulher do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, obteve R$ 3,1 milhões.

Total

O total arrecadado pelas campanhas dos novos congressistas foi de R$ 801,6 milhões. As maiores médias são dos eleitos pelo Centro-Oeste, puxadas pelo agronegócio. No total, empresas que exercem atividade agrícola distribuíram R$ 50 milhões aos vencedores.

Ex-governador de Mato Grosso e cotado para o Ministério da Agricultura, o senador eleito Blairo Maggi (PR) recebeu R$ 2,1 milhões da agroindústria.

Na sequência, aparecem empresas da área de infraestrutura, que também mantêm representantes nos corredores do Congresso para monitorar as comissões, com R$ 28,6 milhões.

Os bancos doaram R$ 13 milhões aos eleitos. Quem mais contribuiu com campanhas foram o Itaú e o BMG -banco envolvido no escândalo do mensalão.

Aécio também se destaca no ranking dos preferidos dos bancos, com R$ 900 mil -o BMG doou R$ 400 mil, e o Itaú, R$ 500 mil.

Fonte: Folha de S. Paulo - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: