Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Construtoras criam projetos para públicos cada vez mais específicos

Texto: Redação AECweb

Nesta extensa lista destacam-se imóveis para os pais de primeira viagem; jovens solteiros que deixaram a casa dos pais; condomínios para idosos, homossexuais e religiosos.

16 de maio de 2011 - Imóveis com três ou quatro quartos, playgrounds e salões de festa. Não que eles deixaram de existir, mas com a recuperação da crise econômica mundial, em 2009, a classe média brasileira experimentou um grande aumento de poder aquisitivo. Atentas às novas e crescentes demandas de consumo, construtoras e incorporadoras passaram a investir em pesquisas e projetos para atender os mais diferentes públicos.

Esta segmentação imobiliária está fazendo com que em vários locais do Rio de Janeiro e em outros estados brasileiros surjam empreendimentos destinados aos mais distintos grupos sociais. Nesta extensa lista destacam-se imóveis para os pais de primeira viagem; jovens solteiros que deixaram a casa dos pais; condomínios para idosos, homossexuais e religiosos. Além de um apart-hotel que já está em fase de construção, em Itaboraí, criado com o objetivo de atrair o turismo de negócios que tende a crescer na região após a conclusão das obras do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj).

Uma opção para os solteiros e recém-casados são os imóveis mais compactos com preços acessíveis em terrenos com boa localização, atestam as construtoras. Ou seja, essas pessoas conseguem morar em bairros nobres da cidade apesar dos apartamentos serem menores.

Investindo em pesquisas de mercado para mapear as demandas do público e se antecipar às tendências do setor imobiliário, a construtora Pinto de Almeida, lançou o Portal de Pendotiba, em março de 2009, e lançará o Portal de Itaipu, ainda no primeiro semestre de 2011.

Os condomínios dessa linha têm apartamentos de dois quartos (sendo uma suíte) e área de lazer completa, com piscina, repouso, churrasqueiras, salões de festas e play infantil. Com valor médio de R$ 150 mil, geralmente são comprados como primeiro apartamento. O perfil do comprador inclui pessoas solteiras que querem ter seu espaço fora da casa dos pais, recém-casadas ou com um filho pequeno, que compram com a intenção de saírem do aluguel.

"Para que um empreendimento seja bem-sucedido, é fundamental que o desenvolvimento do projeto leve em conta o perfil de público e as características do bairro em que está localizado", explica Naum Ryfer, diretor da Pinto de Almeida.

"Apostamos em pesquisa de mercado para identificarmos as necessidades do consumidor e nos anteciparmos às tendências do setor imobiliário", diz.

A demanda por esse tipo de empreendimento tem sido tão grande que o Portal de Pendotiba teve 100% de suas 118 unidades vendidas com apenas mês do lançamento. As obras serão concluídas em maio de 2012.

Em Itaboraí a construtora e incorporadora Nep, em parceria com a Atlântica Hotels, lançou em dezembro do ano passado o apart-hotel Supreme de Itaboraí. Direcionado para o turismo de negócios que deve crescer na região com a conclusão das obras do Comperj.

Segundo Cyro Fidalgo, diretor de desenvolvimento da Nep, a incorporadora descobriu um modelo adequado aos investidores conservadores que ainda não havia sido explorado pelo mercado imobiliário.

"Um ótimo rendimento mensal, característico deste tipo de imóvel, é uma das vantagens. Vale citar também a valorização patrimonial, já que as unidades têm serviços agregados e a manutenção fica a cargo da administradora Atlântica Hotels International. Além disso, se tem a garantia de ter o imóvel locado sem riscos de períodos ociosos, comodidade e transparência nas informações fornecidas ao investidor", explica o diretor.

Aqueles que desejam investir no projeto, os imóveis custam entre R$ 150 mil a R$ 200 mil, de acordo com Fidalgo.

Evangélicos

No Rio de Janeiro, o projeto de uma construtora agradou muito ao público evangélico. Com o foco direcionado para esta parcela religiosa, o condomínio Comandante Life 1, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, teve sucesso de vendas.

Houve culto de lançamento da pedra fundamental e, em 11 dias, metade dos 224 apartamentos já estava vendida. Cada unidade tem entre 56 e 78 metros quadrados e custa a partir de R$ 79 mil.

O conjunto possui itens comuns como piscinas, churrasqueira, salão de festas, espaço gourmet e parque infantil, mas o que o torna um edifício cristão é o fato de não ser permitido falar palavrão, consumir bebidas alcoólicas, nem fumar dentro do condomínio. Uma Bíblia de bronze instalada na entrada do residencial serve como símbolo à crença dos moradores.

Terceira idade

Em São Paulo, o mercado imobiliário está atendendo à terceira idade. Entre os itens que distinguem o edifício Bossa Nova, em Santos, de outros prédios estão a sinalização nos vidros, pisos opacos no lugar de reflexivos, iluminação especial, piscinas com escadas e corrimãos submersos, interruptores grandes e um centro de convivência que tem até um xadrez gigante, além de portas maiores e rampas antiderrapantes ao invés de degraus.

O público gay também não ficou de fora dos planos das construtoras. Em São Paulo e na Bahia já existem empreendimentos habitacionais dirigidos aos homossexuais, como é o caso do condomínio baiano Aldeia Saint Sebastien.

Judeus

Em alguns lugares do País, construtoras já estão projetando os edifícios com o foco nos judeus ortodoxos. Como não podem usar nenhum tipo de aparelho elétrico durante o Shabat - período de descanso que acontece entre o final da tarde da sexta e o início da noite de sábado - alguns edifícios residenciais no País ganharam os chamados "elevadores-shabat". Desenvolvido pela Atlas Schindler, este modelo é programado para parar em todos os andares e ficar abertos por alguns segundos para dar tempo das pessoas entrarem e seguirem até o piso desejado sem ter que mover um dedo.

Fonte: O Fluminense - RJ

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: