Construtoras pedem revisão dos valores da tabela do Sinapi

Texto: Redação AECweb

Para o Sinduscon/AM, pesquisa do IBGE, que serve de parâmetro para obras públicas, não reflete os preços praticados no Estado

21 de fevereiro de 2011 - Os valores apontados pela pesquisa que serve de parâmetro para a construção de obras públicas, o Sinapi (Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil), estão sendo questionados no Amazonas pelo Sinduscon/Am (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Amazonas). A entidade alega que os preços obtidos pelo Sinapi não representam os praticados no comércio local.

"Temos várias particularidades que não são levadas em conta e, por este motivo, de forma alguma os preços utilizados como parâmetro para as licitações públicas contemplam a nossa realidade", afirmou o superintendente do Sinduscon/AM, Eduardo Guenka.

Ele explicou que muitas empresas que trabalham com construções públicas acabam não entregando as obras no prazo por não conseguirem comprar quantidade suficiente de materiais para finalizar o projeto.

Devido ao grande número de construtoras no Estado, ocorre uma disputa por licitações públicas, o que torna este mercado bastante acirrado. Na avaliação do Sinduscon/AM, as empresas acabam praticando um preço um pouco abaixo do Sinapi com a finalidade de apresentar um orçamento mais atrativo para ganhar a licitação.

Em setembro do ano passado, o sindicato entrou com um pedido de revisão dos valores do Sinapi para o Estado junto à CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil), através da Comissão de Obras Públicas da Câmara. Não é de hoje que este tema tem pautado os debates da construção civil, tanto no nível nacional quanto regional. A própria CBIC vem batendo o martelo nesta questão desde 2009.

De acordo com a assessoria da Câmara, encerrou ontem, o prazo de consulta para a empresa que irá compor a comissão técnica que irá avaliar o preço praticado pelo Sinapi. A empresa terá que fazer a revisão dos 5.000 itens que compõem o levantamento do sistema nacional.

Metodologia consagrada

Em resposta, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) afirma que nunca os valores investigados pelo Sinapi foram contestados. A assessoria do órgão informou que desconhece qualquer discussão a respeito deste assunto e enfatizou que a metodologia adotada já está consagrada.

O Sinapi é um sistema de pesquisa feita pelo IBGE em parceria com a Caixa Econômica Federal. Foi criado em 1969 para o setor de habitação, e em 1997 para o de saneamento e infraestrutura. Para realizar o estudo, o IBGE analisa mensalmente preços de materiais e equipamentos de construção, bem como os salários das categorias profissionais em estabelecimentos comerciais, industriais e sindicatos da construção civil, em todas as capitais dos Estados.

Fonte: Jornal do Commercio - AM