Construtoras questionam restrições para a construção civil em São Paulo

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

As limitações foram trazidas pelo novo Plano Diretor Estratégico, do prefeito Fernando Haddad

03 de junho de 2014 - O ritmo mais baixo de lançamentos verificado na cidade de São Paulo, queda média de 10% nos seis primeiros meses do ano, somado às novas restrições para construção civil, trazidas pelo novo Plano Diretor Estratégico (PDE) do prefeito Fernando Haddad apontam para um ano complicado para o setor em 2015. Entre as perspectivas de empresários e analistas, a restrição de prédios de até oito andares nos bairros mais concorridos da cidade poderá resultar em alta de até 15% no preço do imóvel novo.

"A restrição em bairros como Vila Mariana, Pompeia, Perdizes, Morumbi e Moema não fará com que o paulistano pare de buscar imóveis nesses locais, mas vai fazer com que ele pague um preço mais caro pelo metro quadrado", afirmou presidente do Sindicato da Construção de São Paulo (Sinduscon-SP), Sérgio Watanabe.

O executivo explica ainda, que além da lei de oferta e procura, que deve inflar os valores nesses locais, há também a perspectiva de que a construtora gaste mais para realizar o empreendimento. "Ao invés de construir uma torre com 16 andares, a construtora terá que construir dois empreendimentos de oito, o que significa mais elevadores, porteiros, câmeras de segurança e tudo mais. Isso acabará respingando no preço final do produto", discorreu.

De acordo o doutor em engenharia civil e mobilidade urbana pela Universidade São Paulo (USP) Carlos Henrique Simão, o impacto pode ser ainda maior quando levado às pequenas e médias construtoras. "As empresas menores não possuem caixa para sustentar esse tipo de mudança, o que pode resultar em falta de mercado para elas", disse ele.

Outra medida do novo Plano Diretor apresentado pelo prefeito de São Paulo é a liberação de construção de prédios populares em áreas de preservação permanente (como o entorno das represas Billings e Guarapiranga). "A medida é boa, mas também não impulsiona o negócio da pequena e média empresa, já que hoje em dia, realizar projetos para o Minha Casa Minha Vida está concentrado nas mãos de quatro ou cinco gigantes do setor", diz.

Na opinião do presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Claudio Bernardes, a entrada em vigor do novo Plano Diretor traz diretrizes importantes para a mobilidade urbana mas seus impactos no mercado, somente se farão sentir a partir de 2015. "Diante desse cenário, o mercado imobiliário terá de ser ainda mais criativo para manter um bom desempenho, aliando o respeito às regras a produtos que encontrem demanda entre os moradores da cidade".

Além do feijão com a arroz

Para garantir espaço nesse novo desenho do mercado paulistano de construção, incorporadoras e construtoras investem em atrativos que vão desde o estande de vendas até inovação dentro do imóvel lançado. Exemplo disso, a construtora You.Inc iniciou as obras do You Jardim Paulista. Segundo a gerente de marketing da You,Inc, Viviane Rabelo Morimoto Morassi, a empresa toma cuidado de colocar ações em todas as fases da incorporação para atrair o cliente. "Aproveitando a boa localização do empreendimento, que fica entre a Paulista e o Parque do Ibirapuera, nós vamos colocar no empreendimento bicicletas elétricas para uso dos moradores na região", explicou.

A ação da empresa, que vem em linha ao projeto de mobilidade proposto por Fernando Haddad ainda não entra nas restrições do PDE por ter sido negociado antes da aprovação. Para Viviane, no entanto, o impacto para os próximos lançamentos podem acontecer. "Acredito que possa haver uma alta nos preços dos imóveis, e as construtoras precisam ficar mais atentas para realizar bons negócios", disse.

De opinião similar partilha o presidente da MS Construtora, Carlos Góes. Na opinião do executivo, os lançamentos na cidade de São Paulo precisam ser assertivos. "Fizemos os cálculos e o preço para construir ficaria 15% maior com as novas regras na Vila Mariana", diz o executivo. Este ano a empresa entregará um empreendimento na Vila Mariana, com Valor Geral de Vendas de R$ 200 milhões, e deve ser o último na região. "Vamos investir mais em lançamentos na região do ABC Paulista, Osasco e Guarulhos", finalizou Goés.

Fonte: DCI