Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Copa 2014. Metade das cidades-sede ainda não iniciou obras de renovação

Texto: Redação AECweb

Atrasos nos editais, questionamentos judiciais, indefinição de projetos e dificuldades financeiras ainda paralisam as obras.

3 de maio de 2010 - Passados quase dois anos e meio do anúncio do Brasil como sede da Copa 2014 e quase um ano da escolha das 12 cidades-sede, há ainda raros e poucos sinais de obras dos futuros estádios para o Mundial de futebol.

Em um quase repeteco do levantamento realizado pelo Portal 2014 no dia 1º de março -primeiro prazo fixado pela Fifa e Comitê Organizador Local (COL)- o país continua jogando na retranca, sem avançar para gols. A nova data apontada pela federação internacional vence nesta segunda-feira (3/5), mas atrasos nos editais, questionamentos judiciais, indefinição de projetos e dificuldades financeiras ainda paralisam as obras.

A situação mais grave é a do Rio de Janeiro, ainda sem um projeto definido e qualquer sinal de abertura da licitação.

Um pouco mais avançadas estão Recife, com a licitação paralisada por um recurso de uma das participantes, e Natal, que ainda não publicou seu edital para a seleção da construtora, embora prometa iniciar obras secundárias ainda em maio. Obras secundárias também são o recurso de Salvador para não fazer feio. A capital baiana foi uma das primeiras a realizar a licitação, mas o processo acabou embargado por uma ação do Ministério Público Federal. Outra pendência em Salvador é a liberação das licenças ambiental e do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico Nacional).

Brasília, vítima dos problemas que afetaram a credibilidade do governo do DF, conseguiu agora liberar a licitação no Tribunal de Contas e deverá abrir as propostas provavelmente na próxima semana. São Paulo, com seu Morumbi, segue às voltas com as críticas da Fifa ao projeto de remodelação do velho estádio e aguarda a avaliação da entidade às últimas modificações propostas pelo São Paulo Futebol Clube.

Em Curitiba, o Atlético Paranaense começa a receber sinais de que o governo do estado ou prefeitura poderão aportar recursos públicos na renovação da Arena da Baixada. E, por fim, Porto Alegre, onde o Internacional recusa-se a recorrer ao financiamento do BNDES, mas não consegue tocar as obras com suas próprias pernas.

O pontapé inicial para as obras foi dado apenas em Belo Horizonte, Manaus e Cuiabá. A capital mineira disputa a abertura da competição com Brasília e São Paulo, e segue à risca um cronograma próprio acordado com a Fifa. Já as sedes da "Amazônia" e do "Pantanal", incluídas na Copa por determinação pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fizeram a lição de casa e começaram a desmontar as estruturas de seus antigos estádios antes de estourar o prazo da Fifa.

BELO HORIZONTE

As obras do Mineirão começaram em janeiro de 2010. O estádio está dentro de um cronograma próprio, acordado com a Fifa, que prevê os trabalhos em três etapas. As duas primeiras somam R$ 11,6 milhões e envolvem reforços estruturais, correção de patologias no concreto, rebaixamento do gramado e demolição do anel inferior de arquibancada. A terceira etapa, mais complexa, está orçada em R$ 607,8 milhões.

A licitação da segunda etapa foi lançada no dia 16 de abril. O cronograma prevê que o Mineirão seja fechado em 12 de junho e que as obras da segunda fase comecem entre a segunda quinzena de junho e o início de julho. A terceira etapa está programada para começar em novembro ou dezembro deste ano. O cronograma é que o estádio seja reaberto no final de 2012, pronto para a Copa das Confederações.

BRASÍLIA


Após dois meses de paralisação, o Tribunal de Contas do Distrito Federal liberou nesta semana a licitação para a construção do Estádio Nacional de Brasília. O processo considera a capacidade original do projeto (71 mil lugares), com obras estimadas em R$ 740 milhões. Os envelopes com as propostas devem ser abertos na próxima semana, prevendo-se três semanas para análise técnica, recursos e assinatura do contrato. Desta forma, na melhor das hipóteses, as obras devem começar em junho.

CUIABÁ


O consórcio Santa Bárbara/Mendes Júnior começou o desmonte do estádio Governador José Fragelli (Verdão) na última segunda-feira (26/4). As intervenções incluem a remoção de cadeiras, da cobertura metálica e do sistema de iluminação. Em seguida começam os trabalhos de topografia para preparar a demolição da estrutura antiga.

CURITIBA


O Clube Atlético Paranaense, dono da Arena da Baixada, espera ajuda governamental para a conclusão do estádio, orçada em R$ 100 milhões. Ontem (29/4), o gestor da Copa paranaense, Luiz de Carvalho, admitiu que está em andamento um estudo jurídico para verificar a possibilidade de investimentos públicos no estádio.

Em obras há vários anos, a Arena da Baixada é a instalação esportiva brasileira mais próxima ao padrão Fifa, com mais de 70% das adequações já realizadas, segundo as autoridades. No entanto, a complementação das reformas deverá ser retomada somente em 2011, segundo Reginaldo Cordeiro, presidente da comissão de vistorias da Federação Paranaense de Futebol, em entrevista concedida em março ao Portal 2014.

FORTALEZA


Prometida para abril, a reforma do Castelão deve começar, na melhor das hipóteses, apenas no final de maio. Dois dos quatro consórcios que participaram da concorrência foram desclassificados e entraram com recursos para reverter a decisão. Segundo a Secretaria de Esporte estadual, a sentença dos recursos será divulgada na próxima segunda-feira (3/5), mesma data em que serão abertas as propostas técnicas e financeiras das empresas habilitadas. Com isso, o anúncio dos vencedores sairá a partir de 10 de maio. Se não houver novas contestações, o contrato pode ser assinado no dia 20.

MANAUS

Começou no dia 15 de abril o desmonte de toda a infraestrutura do estádio Vivaldo Lima (Vivaldão). Assentos, luminárias, placares, telas metálicas e instalações elétricas serão reaproveitados em outros equipamentos esportivos de Manaus. A ordem de serviço para o início da demolição da estrutura principal deve ser emitida ainda em maio, prevendo-se a demolição para junho próximo.

Políticos de oposição ao governo amazonense correm por fora e esperam a decisão da Justiça sobre uma ação popular para impedir a demolição da edificação, que completou 40 anos no dia 5 de abril.

NATAL

A capital do Rio Grande do Norte é novamente uma das mais atrasadas. Segundo o governo, as obras da Arena das Dunas começarão em 18 de maio, ainda com trabalhos preliminares de terraplenagem no entorno do Machadão. O edital para a construção efetiva do estádio ainda não foi publicado. Está em fase de consulta pública, que deve terminar na segunda semana de maio.

PORTO ALEGRE


A remodelação do estádio Beira-Rio, do Internacional, continua com as obras paralisadas por três motivos: falta de dinheiro, demora na aprovação dos projetos para isenção fiscal e a falta de aprovação pela prefeitura do projeto do novo estádio colorado.

Os arquitetos do estádio afirmaram que o projeto básico segue nesta segunda para aprovação da prefeitura. Um dos principais meios de conseguir verba para a remodelação é a venda do terreno do antigo estádio dos Eucaliptos, avaliado em R$ 30 milhões, mas que esbarra em uma séria de pendências judiciais. Outra alternativa é a exploração imobiliária de terrenos do entorno do Beira-Rio, que seria feita em parceria com a iniciativa privada e garantiria outros R$ 50 milhões para os cofres do clube.

RECIFE


Prometidas para começar em 10 de maio, as obras na Arena Capibaribe sofrerão novos atrasos. O motivo agora é o recurso impetrado pelo consórcio Andrade Gutierrez/OAS, que foi desclassificado na avaliação técnica. O Comitê da Copa pernambucano acredita que o atraso não altera o prazo de conclusão, marcado para dezembro de 2012.

Marcado inicialmente para ser publicado em 16 de setembro de 2010, o edital da Arena saiu apenas em 22 de março devido a exigências da Fifa, que pediu novos estudos sobre sustentabilidade. Depois disso, foi mais uma vez adiado devido a alterações em cláusulas do edital sugeridas pelo Ministério Público. O governo promete começar as obras em maio.

RIO DE JANEIRO


Com reformas orçadas acima de R$ 600 milhões, o Maracanã, provável palco da final da Copa 2014, é o estádio mais atrasado em relação às 12 sedes da competição. O lançamento do edital foi cravado em 16 de abril, mas a federação internacional interrompeu o processo e exigiu remodelações no projeto. O COL e a Secretaria de Obras fluminense se reunirão na próxima segunda (3/5) para discutir as modificações de itens como visibilidade e drenagem do campo e no entorno do estádio.

SALVADOR


As obras na Fonte Nova começarão na segunda-feira (3/5), segundo a Secretaria de Trabalho e Esporte da Bahia (Setre). Mas a demolição, de fato, da velha estrutura ainda depende de julgamento da ação civil pública do Ministério Público Federal para barrar as obras. Além disso, o início das intervenções ainda depende da liberação de licenças ambientais e do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico Nacional).

Por enquanto, os trabalhos se resumem à fixação de tapumes, montagem de pré-moldados, implantação de usina de processamento de concreto e a instalação de equipamentos necessários para o processo de demolição. A expectativa do governo é que a demolição comece em maio.

SÃO PAULO


O São Paulo FC e o Comitê da Copa paulista seguem na queda-de-braço com a Fifa para aprovar o projeto do Morumbi. No último dia 15, o clube enviou nova proposta de remodelação para a entidade. A confirmação de se o projeto está apto a garantir o Morumbi nas semifinais ou na abertura do Mundial deve chegar na próxima semana.

Pesa contra o estádio a declaração do presidente da CBF e do Comitê Organizador Local (COL), Ricardo Teixeira, no final de março, de que as soluções apresentadas eram “paliativas”, inadequadas, portanto, para um estádio de abertura da Copa. O clube, por sua vez, afirma ter resolvido todos os problemas técnicos apontados pela Fifa.

Fonte: Portal Copa 2014

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: