Crescem as expectativas do setor em ações do Governo

Texto: Redação AECweb

Em meio à estabilidade, setor de materiais deposita expectativas no governo. Capacidade industrial também segue o ritmo

25 de abril de 2012 - A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (ABRAMAT) divulga o seu Termômetro mensal referente ao mês de abril. A utilização da capacidade industrial foi de 82% e continua abaixo da média histórica que é de 87%.

Em abril a pretensão de investimentos para os próximos 12 meses foi mantida em 73%, mesmo valor do mês passado. Dentro da média de 2011, período este em que o setor teve desempenho abaixo do previsto.

Mudança significativa aconteceu, de fato, nas expectativas sobre as ações do Governo para o desenvolvimento do setor para os próximos 12 meses. Em março desse ano, 41% estavam otimistas. Já no mês de abril esse número cresceu para 66%, uma elevação substancial de 25 pontos percentuais.

O crescimento da expectativa otimista do setor de materiais de construção nas ações do Governo é um reflexo das últimas medidas adotadas pelo Governo em diversos setores industriais. Para Walter Cover, o otimismo se dá em função da determinação do governo Dilma em adotar medidas para aumentar a competitividade da indústria brasileira: “A indústria de materiais mantém seus pleitos de desoneração, de defesa comercial, e acredita no fortalecimento das obras do PAC e do Minha Casa Minha Vida em 2012” finaliza.

Sobre a ABRAMAT

Desde a sua fundação, em abril de 2004, a ABRAMAT acompanha e contribui para o crescimento da Construção Civil no país, atuando como interlocutora do setor junto ao Governo e aos demais agentes da cadeia produtiva da construção civil. A entidade conta atualmente com 50 empresas filiadas, que são as líderes na fabricação de materiais de construção dos diversos segmentos. Entre os temas que representam os focos de atuação da entidade estão: a competitividade da indústria, a desoneração fiscal de materiais para construção, a conformidade técnica e fiscal na produção e comercialização dos materiais, a profissionalização da mão-de-obra da construção e a responsabilidade sócio ambiental dos agentes do setor.

Fonte: Abramat