Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Custo Unitário Básico da Construção Civil tem variação de 0,17%

Texto: Redação AECweb

Pesquisa mostrou que 8 dos 25 insumos do setor registraram aumento de valor

15 de julho de 2010 - Do total de 25 insumos que compõem o Custo Unitário Básico da Construção Civil (CUB Representativo), oito mostraram aumento em junho, de acordo com dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro (Sinduscon-RJ).

O crescimento do valor desses insumos levou o CUB a atingir variação de 0,17% no mês, somando R$ 920,05 em valor. Os maiores aumentos foram observados em telha ondulada (3,33%) e fechadura (3,06%).

Segundo o diretor executivo do Sinduscon/RJ, Antonio Carlos Mendes Gomes, o aumento dos insumos não está atrelada ao impulso que vem sendo dado ao setor da construção civil pelo programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

"São pequenos ajustes, de pouca magnitude, naturais no processo de coleta de preços. Mas, o que estamos observando em termos de custo é uma tendência, até o momento felizmente, de estabilidade ou de um nível de reajuste plenamente compatível com as metas inflacionárias e os resultados que os índices de inflação estão apontando", disse Mendes Gomes.

Movimento semelhante está ocorrendo em São Paulo. Nos últimos 12 meses terminados em junho, o conjunto dos materiais que compõem a cesta do CUB, mais a mão de obra, subiu 5,57% no Rio de Janeiro. Em São Paulo, o índice mostrou variação de 5,77% no mesmo período. Mendes Gomes destacou que a comparação é importante porque sinaliza que não se trata de um problema de mercado local.

"Isso é uma ótima notícia. E a gente não vê razão para aumentos, porque não estamos vivendo um momento de aceleração descontrolada, de crescimento a qualquer preço, como tivemos em ocasiões passadas, com a economia sem estabilidade", observou. Mendes Gomes. Ele disse que "apesar de programas importantes, como o Minha Casa, Minha Vida e o Programa de Aceleração do Crescimento [PAC], as obras de grande porte e investimentos no estado, não estamos sentindo uma pressão por aumento de preço".

Os materiais de construção estão atendendo à demanda atual. Mendes Gomes admitiu que o setor está se aproximando dos limites da capacidade de produção. Nesse cenário, considerou natural que possa faltar algum insumo no futuro.

O resultado do CUB de junho no estado do Rio ficou abaixo do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) do mês, calculado pela Fundação Getulio Vargas, que alcançou 0,85%.

Fonte: Jornal do Commercio - RJ

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: