Despoluição do Lago Paranoá será case no Fórum Mundial da Água

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Principal espelho d’água de Brasília começou a receber tratamento nos anos 1990 e atualmente é um dos polos de atividades de recreação e lazer na capital do País

Despoluição do Lago Paranoá é apresentada em Fórum Mundial da Água
O evento acontece entre os dias 18 e 23 de março e deve reunir 45 mil pessoas (Crédito: divulgação/Governo do Estado de São Paulo)

08/03/2018 | 10:20 – O Programa de Despoluição do Lago Paranoá, em Brasília, será apresentado no 8° Fórum Mundial da Água, que acontece entre os dias 18 e 23 de março, no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha

A intervenção começou no início da década de 1990 e partiu de duas vertentes. Primeiro, na construção de duas estações de tratamento de esgoto: Sul e Norte. Posteriormente, foram retirados os nutrientes e excesso de microalgas, para que o ambiente fosse considerado ecologicamente aceitável.

De acordo com Fernando Starling, analista do sistema de saneamento da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), já no final dos anos 1990 o nível de transparência do lago passou de 50 cm para 2 m.

Atualmente, para a Agência Nacional de Águas (ANA), o Lago Paranoá está no mesmo padrão de mananciais que abastecem os reservatórios dos Sistemas Torto-Santo Maria e Descoberto, os dois maiores reservatórios de Brasília.

O 8° Fórum Mundial da Água prevê um público de até 45 mil pessoas vindas de todos os cantos do globo. A inscrição pode ser realizada no site. Os ingressos dão direito à participação da abertura, do encerramento, das sessões do fórum, dos almoços e dos eventos culturais na exposição e na feira. Brasileiros e cidadãos de países que não integram a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) têm 50% de desconto no cadastro. Estudantes têm direito a 80% de abatimento.

Quer saber mais sobre obras em Brasília? Leia:

Região do viaduto que desabou em Brasília passa por restauração

Abravidro participa de seminário da CNI em Brasília

UnB vai estudar amostras do viaduto que desabou em Brasília