Emprego na construção civil tem queda sazonal em novembro

Texto: Redação AECweb

Total de empregados formais na construção civil, que em outubro havia atingido novo recorde na série histórica, recuou para 2,860 milhões.

24 de janeiro de 2011 - O nível de emprego formal na construção civil brasileira apresentou queda de 0,07% em novembro de 2010 em relação a outubro. As demissões no penúltimo mês do ano passado superaram em 2.069 o volume de contratações de trabalhadores para o setor. Os dados são da pesquisa realizada pelo SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) com a FGV (Fundação Getulio Vargas).

Com isso, o total de empregados formais na construção civil, que em outubro havia atingido novo recorde na série histórica, recuou para 2,860 milhões. No acumulado de 2010, o saldo de contratados ainda é bem positivo: são mais 403,6 mil trabalhadores (+16,43%) até novembro; em 12 meses, são mais 350 mil (+13,94%).

O diretor de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, explica que "a queda do nível de emprego em novembro é sazonal. Normalmente, nesta época do ano, a atividade da construção diminui, para ser retomada no início do ano seguinte".

Já o Estado de São Paulo, que mantinha em novembro 26,27% de todo o contingente de empregados formais na construção civil do país, registrou pequena alta de 0,1% no nível de emprego em novembro. No entanto, a elevação não foi suficiente para impedir a queda de 0,26% no estoque de empregos no setor da região Sudeste.

O saldo positivo de São Paulo em novembro ficou em 762 trabalhadores. No ano, foram agregados mais 68,4 mil empregados formais (+10%) e em 12 meses, mais 59,6 mil (8,62%). Ao final de novembro, o setor superava os 751,4 mil empregados formais no Estado, recorde na série histórica.

O desempenho do emprego na capital paulista acompanhou a média do Estado de São Paulo. Na cidade de São Paulo, foram contratados mais 433 postos de trabalho em novembro, alta de 0,12% em relação a outubro. No ano, o acréscimo de emprego na cidade de São Paulo foi de 8,4% e, em 12 meses, a alta é de 7,1%.

Pelo Interior, o melhor desempenho percentual foi o da região de Presidente Prudente, que apresentou alta de 1,93% (+ 169 empregos). Em compensação, as regiões de Santo André, Campinas e São José dos Campos tiveram declínio no mês. Na Região de São José, por exemplo, o emprego recuou 0,75%, com 522 demissões a mais do que as contratações. Na região de Santo André, houve o saldo foi negativo em 337 vagas no mês. Em Campinas, foram fechados 510 postos de trabalho (-0,68%).

Brasil
Entre as regiões do Brasil, a Centro-Oeste se destacou como a de maior queda no nível de emprego: baixa de 1,77% ou menos 3.853 trabalhadores que em outubro, seguida pelo Sudeste, em baixa de 0,26%, com 3.825 demissões. No Norte, 2.736 trabalhadores (-1,57%) foram dispensados em novembro. Por outro lado, a região Nordeste, continua registrando altos índices de empregabilidade na construção civil e apresentou alta de 1,34% no mês, com a admissão de 8.041 pessoas.

Fonte: SindusCon-SP